A casa dos grandes pensadores
 
 
 
 

FERNANDA MOROSO

 

 

 

 
O AMANHÃ SEMPRE VOLTA
 
Não quero saber de mim
Quero fugir das recordações cansadas
De um rosto envelhecido que não sabe mais pra onde vai
Que usa e desusa palavras de amargura.
Deixo meu peito queimar por dentro
Em mais uma embarcação de sonhos sem fim
De questões nunca resolvidas de mim.
Quero ouvir altas as canções que não ouço mais
Quero descansar em teus braços
E repousar minhas palavras amarradas no descaso desses temporais.
Quero ver a saúde nos olhos de minha mãe
A inteligência das amizades
Novos acordes, novas frases em prenuncias fases de um novo ser
Que adormece e renasce em saudade do teu querer.
 
Quero esquecer de mim
E sossegar o tempo antigo
Pra ver se assim
Não sofro mais por não estar contigo.
E se Deus puder ver em mim algum merecimento
Dessa mágoa de não te ter,
Peças que não tarde a demora de contigo estar
Porque de meus pecados me tenho em arrependimento
E de meus pedaços, só preciso de uma nova chance de te amar.
 
Fernanda Moroso
                      
Publicação: www.paralerepensar.com.brr 05/02/2009