A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Poesia
 
Ao meu amor
Por: Malgaxe

Numa destas manhãs nubladas,
em que o orvalho e a chuva fina
misturam-se na beleza do mundo,
eu ... Quase cantei uma canção,
era por deveras, um bela canção,
mas... Me faltou uma luz,
e como...Como ao final daquele verão.
O fone de ouvido dividido,
sussurrava no silencio que distanciava
as vagas do mar,
e neste absoluto silenciar, teus olhos,
traziam antes da canção... Refletido,
um lindo e azul adeus do verão...
Depois, como nesta manhã distante,
a ligeira maresia tomava para si
nossos corpos, lançando na bruma
os acordes finais da linda canção,
e roubando a beleza que divisava nossos
olhos encantados do lindo amanhecer...
Como naquela tempo de sedução,
ao silencio, diante dos teus lábios
não entoei a canção sufocada por teus beijos,
hoje o vazio da tua ausencia
emudece os meus dias e mesmo
ouvindo a canção sou incapaz de
de ver nas lembranças a fugaz claridade,
daquele breve momento de amor!



Malgaxe

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: KCGY (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.