A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Conto
 
A ADOÇÃO
Por: Luiz Carlos Morete

A ADOÇÃO



Receberam a notícia com incredulidade, difícil de aceitar.
- Infelizmente o tratamento não deu certo e não há a mínima possibilidade de terem filhos, até mesmo por inseminação.
As lágrimas começaram a rolar pelo rosto de Nara e, seu marido, Jéferson tentando lhe consolar. Continuando o médico passou a lhes explicar os motivos das afirmações dele serem tão conclusivas.
Magoada ou até mesmo com um pouco de revolta, Nara levantou-se e disse:
- Não quero ouvir mais nada. Para mim chega. Vou esperar lá fora Jéferson. Se você tiver que conversar mais alguma coisa com o doutor, fique a vontade.
Passado mais algum tempo ele foi encontrar-se com ela, sentada no sofá do hospital.
- Nara, ele nos deu uma solução. Qua acha de adotarmos um filho?
Com raiva ela disse:
- Adotar? Nem passa isso pela minha cabeça. Esqueça!
Preferindo dar um tempo, Jéferson não falo mais nada. O silêncio até em casa foi perturbador. Até que ela falou:
- Vou querer passar uns dias em casa de mamãe, se você não se importa. Por as idéias no lugar.
- Pode ir. Só que não posso te acompanhar. Tenho o escritório para tomar conta.
- Está bem. Vai ao fim de semana então.
- Combinado.
A mãe de Nara morava na cidade próxima, não seria tão difícil. Assim seria até melhor para pensar em uma solução.
A noite ia ser longa e nesses três dias sozinho teria que pensar e encontrar outra alternativa. Cansado, mal se encostou à cama já estava dormindo profundamente.
A princípio não sabia de onde vinha aquela luz. Assim que se acostumou ao escuro viu que vinha pela fresta por debaixo da porta. Foi até ela e abriu.
De repente viu-se frente a um monte de crianças, todas falando ao mesmo tempo. Não sabia onde estava. Parecia um orfanato, mas não via adultos para tomar conta de todas aquelas crianças. Foi quando uma delas, parecia ter uns três anos, começou a vir em sua direção. Era moreninha, cabelos encaracolados, de olhos muito vivos e espertos. Chegou perto de Jéferson.
- Oi! – disse ela.
- Oi. -respondeu. Qual o seu nome?
- Me chamam de Mel.
- Gostei! Posso chamá-la assim também?
- Pode. Você veio me buscar? – perguntou sorrindo.
- Para dizer a verdade, não. Nem sei que lugar é este!
O sorriso naquela carinha sumiu. Virou as costas e voltou para junto das outras crianças.
Sem saber o que fazer, ele também se virou, saiu e fechou a porta.
O dia já amanhecendo pegou Jéferson sentado à beira da cama tentando se refazer do sonho. Sonho? Não sabia mais o que dizer. Parecia tão real.
Levantou-se, tomou um banho frio e foi tomar seu café. Nara lhe fazia falta. Queria contar-lhe o sonho...
Ao chegar ao escritório parecia que não ia conseguir trabalhar.
- Que foi, chefe? – perguntou Marcos. Parece que levou uma surra?
- Marcos, hoje não vou trabalhar. Tome conta do escritório e avise o pessoal. Preciso dessa folga.
- Tá bem, Jéferson. Não se preocupe. Tudo vai ficar bem.
Em duas horas já estava em casa de Dona Diva, mãe de Nara. Encontrou as duas conversando na sala. Seu Gerson, o pai, havia saído. Pegou as duas de surpresa.
- Jéferson, você não vinha só no fim de semana?
- Acontece que eu precisava falar com você. Precisava vir. Boa tarde, dona Diva?
- Boa tarde, meu filho. Vou deixar vocês à vontade para conversar.
- Se for sobre aquilo, esqueça. Não quero.
- Já falei com ela, Jéferson. Está irredutível. – disse a mãe de Nara.
- Espere até eu contar a minha história. Fique também para ouvir, dona Diva.
As duas ficaram curiosas para ouvir o que ele tinha para contar. E Jéferson contou.
- E você quer que eu acredite em um sonho? – perguntou Nara.
- Não é isso. Será que não é um sinal para que adotemos uma criança que faça a nossa felicidade? Quantas estão por aí sem abrigo a espera de uma família?Essa criança também tem direito a ser feliz. Com um lar.
O que Jéferson acabou de dizer deixou Nara pensativa. Levantou-se e saiu para tomar um pouco de ar. Jéferson já ia atrás, quando Diva o segurou.
- Deixe-a ficar sozinha por um instante. Fará bem a ela. Venha tomar um café.
E foram até a cozinha.
Já estava anoitecendo quando Nara chegou junto com seu pai.
Depois do jantar foram todos à sala conversar.
- Nara me contou o que aconteceu. Será que um sonho pode revelar alguma coisa? Mas eu falei para Nara que deviam seguir a intuição e ver o que acontece.
- Será que é fácil, pai?
- Vocês terão que seguir uma série de passo. Mas vale a pena tentar. Estou louco para ver uma neta correndo aqui pela casa.
Isso animou Nara e Jéferson.
- Aqui mesmo na nossa cidade tem um abrigo com várias crianças para serem adotadas. Vale a pena irmos dar uma olhada amanhã.
De manhãzinha foram todos juntos à Vara da Infância e Juventude. Foram bem atendidos e começou a conversa. Foi feita uma entrevista com o casal e solicitados os documentos necessários. Depois desses primeiros passos ia ser marcada uma entrevista com a assistente social para ver se tinham condições de adotar uma criança. Todas essas formalidades iam deixando Nara e Jéferson cada vez mais ansiosos.
- Será que vai dar certo? Se não der eu desisto de vez. – falou Nara.
Passados alguns dias e depois de terem sido analisadas todas as informações havia chegado o momento de irem até o abrigo e ver a criança. Não fizeram objeções quanto à cor, idade ou tamanho.
- Aqui no abrigo temos uma criança com três anos de idade, moreninha, muito esperta e carinhosa. Mas acontece uma coisa engraçada. Já três casais tentaram adotá-la e ela não conseguiu se acostumar com eles e como conseqüência eles desistiram. Veio para o abrigo com dois anos de idade, muito maltratada e machucada. Foi tirada a guarda da mãe e trazida para o abrigo. Vocês vão conhecê-la. Mel venha até aqui. Não estranhe pois ela ainda não conseguiu falar desde que chegou aqui.
Jéferson sentiu um baque quando ouviu aquele nome. Nara percebeu.
Quando a criança foi chegando perto deles um lindo sorriso apareceu em seu rosto. E para surpresa de todos, ela falou:
- Vocês vieram me buscar?
A assistente social ficou chocada e maravilhada. O que aconteceu?
Jéferson abraçou a criança e chorando disse:
- Viemos sim. Você vai ter um lar, Mel.
Não tinha explicação para o ocorrido. Sim, ele iria ter um lar.
Nara e Jéferson receberam a guarda provisória e poderiam criar com todo amor àquela criança. Só estava faltando à liberação pelo juiz a guarda definitiva.
Passado algum tempo o dia chegou. Com aprovação do juiz foi dada a guarda definitiva de Mel para o casal e a emoção tomou conta de todos.
A assistente social falou para eles:
- Se todos fizessem como vocês, adotando uma criança esse mundo talvez fosse melhor. Tenho certeza que a Mel vai ser muito feliz.
Nara completou:
- Com certeza. Com certeza!





 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: cWbV (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.