A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Poesia
 
EXERCÍCIO RIMADO
Por: Paulo Marcelo Braga

(Uma tese sintética e extra oficial

da poética reformulação gramatical).


Às vezes, a Gramática,

sem dúvida, é um pouco, complicada,

tem uma injusta temática

e, pra quem não é mouco, soa errada.

Adjetivos que usamos

devem ter correções, sem picardia...

Logo, senão vejamos,

algumas confirmações do dia-a-dia..

Uma pessoa exata, justa,

doce, sincera, bondosa,

não se afeiçoa à permuta

que vocifera maliciosa...

Para explicar, em suma: na norma

bem inexata, se o sufixo

da palavra “exatamente” deforma

e desacata, ele é prolixo.

Ora, se a pessoa considerada “exata”,

mente, então, nossa norma gramatical

vigora de maneira errada e a errata,

de repente, virá de forma extra oficial...

Numa alteração sugerida,

“exatamente” se transformaria, na simplicidade

da “exataforma” preferida,

que não mente e confirmaria uma boa realidade.

Importante: a sincera forma de dizer

o que deve ser dito, na pura norma,

não se conforma com um desprazer

breve a ser proscrito “futuraforma”.

Nos sufixos reformulados,

em um dialeto da atualidade,

alguns adjetivos utilizados,

por certo, provariam a verdade.

E mais: o verbo ter, conjugado

como tinha, soa esquisito,

em um sufixo mal empregado,

na pessoa de rosto bonito.

O diminutivo de beleza

é diferente do da bonita no desterro,

cujo adjetivo, com certeza,

entoa imprudente e incita a um erro.

A beleza até que dá e passa...

A bonitinha já é do passado...

Quem tinha beleza na praça,

ficou feinha. Está explicado?

Ao invés de se afirmar:

“Aquela pessoa é bonitinha!”, convém

esse tal revés consertar...

Sem balela, soa bem melhor “bonitem”.

A palavra “denegrir”,

também, deveria ser abolida,

pois só vem sugerir

uma discriminação indevida.

Por que não usaram

a palavra “denebranquear”,

quando oficializaram

um sinônimo para “difamar”?

Se a escravidão já foi abolida

(Será que ela já foi mesmo? Quem dá a pista?),

a função da palavra “denegrida”,

oriunda de “denegrir”, tem uma função racista.

Eis uma opção sensata:

nem “denegrida”, nem “denebranqueada”

contêm a dicção exata...

Logo, a palavra que convém é difamada.

Do adjetivo da pessoa

que aposte na “vagabundagem”,

eu me sirvo como boa

resposta ao erro de linguagem.

Se a região glútea, no dicionário,

é, também, chamada de “bunda”,

há colocação dúbia no sanitário

de uma reformulação profunda...

Ao contrário de “vagabundagem”,

soaria bem melhor “vagafuncionalidade”,

para um rosário da má imagem

que diria “amém” à uma pior ociosidade.

A minha reformulação da Língua Portuguesa

traz algum mero exercício rimado.

Ela, então, ficará à míngua, com toda certeza...

Mas, reitero o benefício informado.

Porém, quem quiser, discorde do que eu expus.

Não me importo com críticas deturpadas

de quem me disser que, no acorde que compus,

eu me reporto com “inverídicas rimadas”.


Paulo Marcelo Braga

Belém, 13/02/2007

(20 horas e 34 minutos).

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: BEGU (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.