A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

João Márcio F. Cruz
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Conto
 
O objetivo da vida - um sátira
Por: João Márcio F. Cruz

O Objetivo de Vida

Um dia, o pai de joão, da família passo certo, resolveu levá-lo a um grupo de auto-ajuda, desses que nos auxiliam a descobrir nossas vocações.

A entrada era muito bonita, tinha exposto na parede a quantidade de pessoas beneficiadas pelo tratamento e os resultados promissores que as extatísticas já anunciavam. Os responsáveis pelo grupo já tinha aparecido até na tv, isso lhes dava um credibilidade maior mas também maiores responsabilidades. Desde o dia que foram ao programa já receberam mais de dez mil ligações pedindo informações de como se inscrever.
- Seja bem vindo, disse o porteiro. Que suas vocações estejam lhe esperando logo ali na sala principal.
O cumprimento exótico animou João e seu pai. O jovem, em plena adolescência, vivia sua crise existencial. Estava até em moda atravessar tais crises, o que ninguém sabe é se a maioria que entra, consegue sair são, a maioria sai subversivo, com manias revolucionárias, como se o sofrimento despertasse um idealismo latente.
Na sala principal, havia muitos presentes, a maioria adolescentes. Todos conversavam mas ninguém se ouvia. Num instante surge o mentor do grupo.

- Meus amigos, estamos aqui para descobrir nosso objetivo de vida. Não percamos
tempo com mais delongas. Porque já perdemos tempo demais correndo atrás do vento. “Arrematou, citando uma passagem do Eclesiastes”.

A reunião era feita em círculos, e espontaneamente, um a um, os integrantes iam ao parlatório falarem de seus sucessos ou fracassos na vida. O primeiro orador da noite subiu a tribuna:

- Amigos, se aqui estou é porque devo a esse grupo tudo que tenho. Minha vida era uma sucessão de vazios e fugas através do álcool. Até que descobri através dos mecanismos de emersão da alma que meu objetivo nessa vida é ganhar dinheiro. Hoje sou um rico empresário, quanto mais tenho mais quero, e essa vontade insaciável de acumular dinheiro, tornou-se minha razão de viver. Quando há uma baixa nas bolsa de valores, minhas ações sofrem e eu também. Sou capaz de tudo, deixar filho esperando na frente do colégio, não voltar cedo pra casa enquanto a esposa sofre preocupada, sou capaz até de demitir meu melhor amigo, se estiver produzindo pouco na empresa, afinal – concluiu ele – pelo nossos sonhos, valem tudo e uma vida inteira ainda é pouco para conseguir todo o dinheiro que quero.

O silêncio de então foi invadido por ovações trovejantes, ali estava um vencedor, alguém que apostou tudo no seu objetivo de vida e conseguiu encontrar-se.

O outro se aproximou:
“- Boa noite meus confrades. Se não já perceberam estou muito feliz. Fazem apenas dois meses que me integrei nesse grupo e já vejo as diferenças. Descobri que meu objetivo de vida é ir ás festas. Desde então, um mudança radical desencadeou-se em minha vida. Já consegui emprego, conheci meu chefe numa dessas baladas. Percebam aí as coincidências!!! Arranjei uma noiva. Estou mais bonito, é o que dizem, e me sinto mais jovem a cada dia. Embora tenha meus 35 janeiros, não perco uma noite. O engraçado é quanto mais extrovertido eu fui ficando mais cansativo foi se tornando as minhas antigos leituras, Hoje sei que ler é para depressivo, a não ser que seja sua vocação...

Hoje, sempre ando acompanhado da turma, indispensável para as curtições. Só ainda não resolvi um probleminha com minha mãe que insiste que eu arranje um emprego, a coitada não entende que não nasci para isso, eu seria muito infeliz se trabalhasse a semana inteira. Preciso me divertir, se nasci para festas e badalações, assim como aprendi aqui, meu organismo não aguenta regra, esforço, disciplina e responsabilidades com a vida. Curtir é o meu lema, e que me perdoem os donos de casa e mães responsáveis.”

O jeito jocoso de encerrar o testemunho provocou risos e muitos aplausos. Todos ali o tinha visto chegar tão triste a meses atrás e agora, ouvi-lo falar de tanta realização e sucesso era muito animador para quem estava chegando. João estava surpreso, não imaginava que fosse algo tão eficiente. Mas pelas expressões de contentamento, todos deviam ter tido êxito em suas vidas. Então, foi a vez de uma mulher:

- Boa noite companheiros. Se vocês querem descobrir seu objetivo de vida, encontrar um sentido para sua estadia nesse planeta. Vieram ao lugar certo. Aqui eu cheguei perdido, sem norte, minha bússola não funcionava. Meu marido, bem intencionado, depois de um crise de depressão, lembrando que eu já me arrastava sedada por meses a fora, vitimida por anti-depressivos e calmantes. Ele, meu amado me trouxe até aqui. Ele que já tinha se tratado antes, e por isso mesmo tinha descoberto seu objetivo de vida “Comprar celulares”. Eu, na época, julgava que fosse compulsão, não entendia como um homem que já possuía um celular da primeira geração, se angustiava quando via outro mais moderno, na propaganda de televisão. Eu digo a vocês, várias vezes o censurei, mas ele foi firme em seu propósito e até hoje guarda sua coleção de celulares, sem falar no tamanho deles, que enobrece seu objetivo, porque aqui todos devem saber, que quanto menor o celular, mais importante a pessoa se torna. Pois bem, e eu... Cheguei transtornada, tinha tudo mas me achava sem nada. E asseguro-lhes, que em menos de dois anos, parei de tomar remédios. Minha bulimia, hoje sei, era uma compensação, minha existencia sem sentido me fazia fazer coisas que até hoje me arrependo. Tentei o suicídio, cheguei até a trair meu esposo, uma só vez mas já era o bastante, estava carente, sem alegria de viver. Quando depois de usar o aparelho despertados de sonhos, acordei para a vida, descobri que os únicos instantes em que eu sentia um pouco de felicidade era quando ia ao Schoping Center fazer compras. .

Então, foi só seguir meu coração. Sempre esteve ali, diante de mim mas eu teimava não ver. As vezes, as coisas mais simples se tornam difíceis porque complicamos demais. Eu ouvia, nessa época, muitas vizinhas, me alertavam sobre o perigo de compras excessivas, eu poderia me tornar uma consumidora compulsiva. Mas quanto mais comedida nas compras eu me tornava, mais infeliz, triste e desanimada eu ia ficando. Certo dia, aqui me disseram que eu ouvisse mais o meu coração do que o coração dos outros. Eu fiz isso e nunca mais minha vida foi a mesma. Minha família é mais feliz, mais unida, meu esposo me perdoou e hoje amamo-nos mais do que antes. Conquistei o respeito de minhas amigas e hoje se me ponho de pé diante de vocês é para agradecer por tudo que recebi. Fazer compras não é meu hobby, nem capricho pessoal, fazer compras é o sentido de meu viver, razão de minha existência e objetivo de minha jornada nesse plano material. Agora dê-me licença, que eu tenho umas compras a fazer (risos)...


Todos se levantaram e aplaudiram-na de pé. Todo o grupo tinha o maior respeito por ela, e asseguro que ela já tinha conquistado o respeito do joão e seu pai.
A reunião terminou ás 20:30, todos saíram cabisbaixos, refletindo sobre tudo o que ali ouviram. E joão, mesmo ainda sem saber qual seu verdadeiro sonho, saiu muito entusiasmado, porque vira que, participando com assiduidade desse grupo, descobriria, logo, logo, seu objetivo de vida...



Bel. João Márcio F. Cruz
Palestrante e escritor
Autor do livro Os Quatro Pilares da Educação

http://www.facebook.com/joaomarcio.ferreiracruz

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: NSTQ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.