A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

PROF. HAROLDO NOBRE LEMOS
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Artigo
 
O VELÓRIO DO EMBRIÃO
Por: PROF. HAROLDO NOBRE LEMOS

O VELÓRIO DO EMBRIÃO

Já estão historicamente monótonas as brigas da Igreja Católica de Roma com os avanços científicos. Foi assim com Galileu que, por sua vez, foi perseguido e condenado à prisão domiciliar em 1633, pelo Santo Ofício, mais pela arrogância do que pelas idéias. Idéias que, aliás, começaram com Copérnico em 1543. Foi ele que propôs que a Terra era apenas um planeta girando em torno do sol, quando a Igreja sequer tinha alguma posição nesse sentido. Foi aí que Martinho Lutero e sua Reforma Protestante entraram em cena, principalmente com o uso da sola scriptura, que nada mais queria dizer, como até hoje, que a Escritura fala por si e não necessita de interpretações teológicas. Sobre Galileu, assim disse Lutero: “...parece que um novo astrólogo quer provar que a Terra se move através dos céus (...) o tolo quer virar toda a arte da astronomia pelo avesso...”. Muita água rolou por baixo dessa ponte. Galileu muito abusado, foi calado diversas vezes pois queria derrubar as idéias de Aristóteles que então prevaleciam e escreveu que a Igreja tinha que rever suas interpretações bíblicas. Ele se escudava em seu amigão, Cardeal Barberini, que em 1623 tinha virado Papa. Em 1632 teve que abjurar todas suas idéias, isto é renunciar a todas de forma pública e solene, perante o Santo Ofício. Senão virava churrasco.
Em 1982, João Paulo II mandou rever o processo de Galileu e em 1992, suspendeu a condenação.
Toda essa digressão para mostrar que não fosse o avanço de Lutero, forçando a Igreja a tomar uma atitude, somada a arrogância de Galileu, que adorava chamar todos que discordassem dele de burros, não teriam se passado 359 anos entre a condenação e o perdão. Quer dizer, a Igreja não adotou uma postura tão retrógrada, a princípio, nesse episódio.
Contudo, com os avanços de após a Segunda Grande Guerra, isto é, as décadas de 1950 e 1960 começaram a se tornar um problema para os conservadores religiosos católicos e protestantes.O desenvolvimento dos métodos anticoncepcionais somado ao novo papel que a mulher passara a desempenhar no mundo já davam muita dor de cabeça. Mas o Concílio Vaticano II (1962-1965) também amenizou a difícil relação entre ciência e religião.
A partir da década de 1990 a ciência através de um consórcio multinacional finalmente concluiu o chamado Projeto Genoma Humano. Teve até briga entre empresas de pesquisa que queriam patentear a descoberta. Quer dizer, se alguma tivesse conseguido, ter-se-ia tornado “proprietária da espécie humana”. Mas isso não durou muito e, nesses nossos dias, as crianças que estudam em boas escolas sabem extrair DNA de quase tudo o que houver na geladeira. É uma aula prática bem comum em escolas estadunidenses de nível secundário.
O avanço célere da informática vem favorecendo tudo e, de certo, tem feito a ciência dar verdadeiros saltos. Tão altos que as teologias morais, os códigos de processos penais etc., mundo afora, têm grande dificuldade em acompanhá-los.
É precisamente o que se dá com o uso das células-tronco embrionárias.
Em 2005, o Congresso dos EUA estava discutindo se o governo federal deveria, ou não, financiar essas pesquisas. Até mesmo muitos deputados republicanos, protestantes e conservadores, manifestaram-se favoravelmente. Foi o caso do deputado republicano Cristopher Shays que declarou: “Galileu e Copérnico estavam corretos: a Terra é mesmo redonda e gira em torno do sol. Eu acredito que o intelecto que nos foi dado por Deus deve ser utilizado para diferenciar o dogmatismo que nos aprisiona e a prática ética da Ciência, que é o que devemos apoiar aqui hoje”. Resultado o Congresso aprovou, o Senado idem, mas George W. Bush usou seu poder de veto. Não bastasse isso, soterrou as políticas de preservação ambiental de Bill Clinton e reduziu drasticamente as verbas federais para a National Science Foundation e também as da NASA. Decisões políticas em qualquer sistema democrático jamais podem ser impregnadas por dogmatismos, sobretudo oportunistas, sejam eles oriundos desta ou daquela denominação religiosa. No Brasil, já possuíamos uma lei bem específica e eticamente rigorosa quanto ao uso de células-tronco embrionárias, desde 2005. A Igreja tentou derrubá-la, “o povo escolhido de Deus”, os judeus, através de seus rabinos manifestaram-se favoráveis ao uso desses embriões que, nos termos usados pelo rabino Henri Sobel “constituem apenas expectativas de vida”.
Cabe aqui esclarecer que as células-tronco embrionárias são obtidas de embriões, isto é, uma célula-ovo ou zigoto (óvulo fecundado), que estão com cerca de 200 células. Estas células ainda indiferenciadas têm o potencial de se transformar em células musculares, do músculo cardíaco, em neurônios etc. O potencial de terapias que venham a empregar essas células é imenso. Sobremodo no que tange às doenças degenerativas, tais como Mal de Alzheimer, diabetes, Mal de Parkinson, lesões neurológicas, simplesmente repondo células saudáveis no lugar daquelas danificadas ou mortas.
A grande questão levantada, em particular pela Igreja, é que esses embriões são seres humanos e utilizá-los em pesquisa seria como assassinar pessoas. A legislação de biossegurança determina, de forma expressa e inequívoca, que apenas os embriões descartados podem ser empregados nessas pesquisas. E, graças a Deus, o Supremo Tribunal Federal fulminou, em caráter definitivo, essa retórica hipócrita. Isso mesmo, retórica absolutamente hipócrita, pois é de se perguntar por que a Igreja de Roma não fez o mesmo barulho, até hoje, contra as clínicas de fertilização? Os embriões da Dona Fátima Bernardes e do Sr. William Bonner, por exemplo, que não foram empregados para gerar seus gêmeos, estão congelados ou já foram para o lixo? Sim, porque são muitos os embriões produzidos e poucos os escolhidos para gerarem fetos. A frase não soa um tanto bíblica? “Muitos serão chamados, mas poucos serão os escolhidos” (Mateus 22:14).
Bem, uma vez que os abastados não querem adotar crianças que não sejam brancas, saudáveis e com menos de nove meses de idade, conforme declararam os senhores Marcelo Antony (ator) e Maurício de Souza (criador da Turma da Mônica) no programa “Altas Horas” de hoje, partem para as clínicas caríssimas e sofisticadíssimas de fertilização. Assim como também fizeram o provecto Carlos Alberto de Nóbrega e sua mulher há alguns anos. O que eles farão com seus embriões não escolhidos e mantidos congelados em nitrogênio líquido a menos 196 graus centígrados? Se forem mesmo “pessoas humanas” devem estar com um baita frio.
Mas o que fazer com eles? Já até surgiram umas senhoras muito piedosas, na Itália, que ofereceram seus úteros para implantação desses pobres enjeitados sobre os quais ninguém fala. Claro que isto não deu em nada, mas vendeu jornal pra xuxú. Tiveram seus 15 minutos de fama (royalties para Andy Warhol).
Mas como disse Drummond, “ E agora, José”? Ou seria o caso de dizer, e agora Bento XVI? Bem, pela lógica eclesiástica tratam-se de “pessoas humanas” (eles adoram essa locução) inviáveis. Sendo assim, minha proposta é que se dê sepultura a todos esses “enjeitados”, com todas as exéquias a que têm direito, de acordo com o que preconiza o ritual romano para os fiéis defuntos.
A propósito, por que será que o clero fala tanto em “pessoa humana”? O dicionário filológico da Fundação Antônio Houaiss, define pessoa assim: “indivíduo considerado por si mesmo; ser humano homem ou mulher”. Será que existe alguma pessoa não humana???


Prof. Dr. Haroldo Nobre Lemos.


 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: UQNM (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.