A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Augusto de Sênior (Amauri Carius Ferreira)
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Artigo
 
A LAGARTIXA (ÁLVARES DE AZEVEDO) - HUMOR NA"LIRA DOS VINTE ANOS"
Por: Augusto de Sênior (Amauri Carius Ferreira)


A lagartixa ao sol ardente vive
E fazendo verão o corpo espicha:
O clarão de teus olhos me dá vida
Tu és o sol e eu sou a lagartixa.

Amo-te como o vinho e como o sono,
Tu és meu copo e amoroso leito
Mas teu néctar de amor jamais se esgota,
Travesseiro não há como teu peito.

Possa agora viver: para coroas
Não preciso no prado colher flores;
Engrinaldo melhor a minha fronte
Nas rosas mais gentis de teus amores.

Vale todo um harém a minha bela,
Em fazer-me ditoso ela capricha;
Vivo ao sol de seus olhos namorados,
Como ao sol de verão a lagartixa.

(Obras, v. 1, 1853, Lira dos vinte anos – 2ª parte)

_________________________________________________________________________________________


É um poema de comparações.

São dezesseis versos divididos em quatro quadras com rimas entre o segundo e o quarto verso.

São decassílabos (dez sílabas poéticas).

Vejamos a escansão (divisão) da primeira estrofe:

“A-la-gar-ti-xaao-sol-ar-den-te-vi-/ve
E-fa-zen-do-ve-rão-o-cor-poes-pi-/-cha:
O-cla-rão-de-teus-o-lhos-me-dá-vi/-da
Tu-és-o-sol-eeu-sou-a-la-gar-ti-/xa.”

Aqui a primeira comparação: “Tu és o sol, eu, a lagartixa”, em outras palavras, tu brilhas, eu me aqueço...

Na segunda estrofe mais comparações: o vinho e o sono, o copo e o leito de amor, o travesseiro e o peito amado.

Poesia trabalhada, pensada, estudada; devemos observar a inteligência com que é construída a terceira estrofe:

“Posso agora viver: para coroas
Não preciso no prado colher flores;...”

A utilização dos dois pontos, antes da conclusão lógica, ou seja, o jovem poeta (não completou vinte e um anos de vida) já tem a sua flor...


E assim o jovem vai construindo a sua poesia e continua a declarar seu amor, diz que a sua bela vale mais do que outras belas e faz a comparação final:

“Em fazer-me feliz ela capricha;
(...)
Como ao sol de verão a lagartixa.”

Mergulhando no texto temos um jovem poeta apaixonado por uma bela, mas em algum lugar, Ele vê na parede uma despretensiosa lagartixa e faz as comparações prosaicas que embelezam a poesia.



Augusto de Sênior.
(Amauri Carius Ferreira)
(FERREIRA, A. C.)

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: HQMZ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.