A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Agenor Figueira Rodrigues Filho
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Conto
 
UM FUTEBOL INSANO
Por: Agenor Figueira Rodrigues Filho



No final da década de quarenta, pelo menos em Del Castilho e Maria da Graça cada rua tinha dois times de futebol.Um com meninos com a média de idade de 14 anos e outro com rapazes com a média de idade de 18 anos. Os primeiros tinham a sede debaixo de um poste de luz e se reuniam à noite sob essa iluminação, os segundos se reuniam em um botequim.
Os jogos entre os times de ruas, chamados de time contra, eram disputados com muita rivalidade. Os meninos nunca pensaram em organizar um campeonato ou torneio do bairro, mas os pequenos clubes organizavam torneio para os times dos rapazes. Havia no bairro dois times filiados à federação: o Del Castilho e a Nova América, o ideal de cada jogador mirim era integrar a um desses clubes, assim como um jogador profissional tem o ideal de integrar a clubes como o Milan, Real Madri, Barcelona etc.
No meio de muitos sonhos, o menino da rua Luiza Vale de Del Castilho receberam um convite para jogar contra o time da Rua Galileu de Maria da Graça. Foi uma surpresa porque o time da Galileu tinha muitos craques conhecidos nos dois bairros, o mais famoso do bairro era o Carlito, irmão do Pedro Amandio que era o Xerife da área. Agora se tratava de rivalidades entre bairros, o que é muito mais sério que rivalidades entre ru.
Os meninos relutaram se aceitariam ou não o convite porque seria um risco sério. .Consultaram ao Renato Biguá (o Xerife do outro lado) se deveríamos aceitar o convite, esse disse que o time de lá é muito bom e a barra é pesada, mas que eles deveriam aceitar porque eles são homens e homens não podem ter medo. Os meninos deliraram com a decisão do Renato Biguá que era um dos mais importantes jogadores do Del Castilho.
No dia e hora marcados, foram para o campo do time da rua Galileu.Curiosamente, os receberam muito bem, os meninos da rua Luiza Vale nunca viram tanta cortesia e educação em meninos adversários, inclusive ofereceram uma bola para os visitantes brincarem enquanto não chegava à hora do jogo.
O jogo começou bem, os dois times eram bons e do mesmo nível. A cordialidade entre os jogadores durou até aparecerem às meninas da Galileu na hora que o time da Luiza Vale abriu os escores A partir daí os jogadores locais começaram a pegar, eram carrinhos por trás, pisadas nos calcanhares, empurrões, cotoveladas.Até que Agenor, goleiro da Luiza Vale, ao tentar sair em uma bola cruzada, foi calçado por um menino negro, conhecido como Tiquinho, e o irmão gêmeo deste, o Vavá, cabeceou, empatou o jogo e perguntou: se Agenor era o goleiro que pegava tudo em Del Castilho, mas em Maria da Graça ele era uma boa merda.Agenor o chamou um de Tiqumho de merda e o outro de Vavaca .Iniciou uma briga entre os jogadores da defesa e do ataque e os outros vieram correndo para participar.O juiz, Pedro Amandio, interveio com energia ameaçando expulsar todos e acabar com o jogo.A seguir, em uma bola cruzada, Agenor pulou com um joelho dobrado e atingiu as costelas do Tiquinho que caiu se contorcendo em dores, o que gerou briga entre Agenor e Vava, Pedro Amândio, outra vez interveio com energia.
Logo após os capitães dos dois times (Pedrinho da Luiza Vale e Carlito da Galileu) começaram a brigar, o juiz do interrompeu o jogo e ameaçou de expulsá-los, para evitar expulsões o Carlito foi para o ataque, até aí ele vinha tentando chutes de média distância, agora ele ficaria mais perto do goal e mais longe do Pedrinho que procurou se colocar pela orla direita do campo, ficando mais longe do adversário que virou desafeto. No primeiro lance de Carlito no ataque, veio uma bola cruzada que ele cabeceou de dentro da área e Agenor defendeu com firmeza, Carlito que estava muito perto de Agenor, comentou.
- Nem nesse goleiro de merda eu consigo fazer goal.
Agenor, que já tinha percebido que as meninas de sua rua chegaram, principalmente a Aurora que era a sua admiradora. Respondeu, mas para a admiradora pudesse ouvir :
-Olha aí o perna de pau, você precisa aprender a chutar e cabecear para fazer goal em mim.
- Em seguida, trocaram empurrões e ponta pés, o juiz Pedro Amâncio veio na direção dos dois com atitude de que iria expulsá-los, mas os dois se abraçaram e se desculparam.
Nesse momento, o Pedro Amandio pediu ao Capixaba , conhecido desordeiro de Maria da Graça, que apitasse o resto do jogo porque ele já estava atrasado para um compromisso. O novo juiz avisou que ia acabar com a folga do pessoal de Del Castilho. Os meninos do time visitante se negaram a jogar sob uma arbitragem que já se anunciava que seria parcial. O Capixaba avisou que: se eles abandonassem o campo iriam entrar na porrada e convocou seus amigos desordeiros para agredir os garotos, nem esses nem os jogadores locais concordaram com essa decisão, a qual tinha que ser na bola Uma senhoras negrs, conhecida como Donana, alta e elegante mãe do Capixaba, entrou em campo e mandou que todas pessoas estranhas ao jogo se retirassem de campo. Pegou o apito e chamou os dois times e disse; vocês são filhos de boas famílias, sabem jogar, não tem cabimento que fiquem se agredindo.Vamos fazer um jogo bonito , vou apitar e aviso não vou permitir violências. O jogo transcorreu com velocidade e lealdade, terminando como placar de 3x2 para os Galileu.

Ao trilar o apito final os jogadores do time local se dirigiram aos jogadores do time visitantes de braços abertos, abraçaram-se e desculparam-se mutuamente de qualquer coisa que tivessem errado.Marcaram o próximo jogo para ser realizado em Del Castilho no campo da Chácara. As torcedoras do dois times rodearam a juíza a aplaudiram e a beijaram.
Os meninos da Luiza Vale convidaram os adversários para uma revanche em Del Castilho.No dia e hora marcados, chegou o time da rua Galileu, os locais retribuíram a mesma cortesia. Apertos de mão, tapinhas nas costa e abraços.Até aí tudo bem.Carlito quando viu Agenor fora do campo perguntou se ele estava barrado.Ele mostrou os dois joelhos feridos. Carlito disse que é uma pena ele não jogar, pois é um grande colaborador dos times adversários. Agenor retrucou dizendo que com Carlito, o time joga com a menos.
O jogo começou em alta velocidade, e à medida que o tempo passava ia escamando: empurrões, pisadas nos pés e nos tornozelos. Até que um jogador do Galileu cometeu uma falta violenta, Pedrinho, capitão do time e irmão do juiz, deu-lhe uma rasteira e pisou-lhe na barriga.Os jogadores do time visitante se revoltaram.O juiz, Renato Biguá (irmão do Pedrinho) chamou a atenção do Pedrinho e avisou que a partir de agora iria marcar tudo e expulsar quem tiver que ser expulso. Com a marcação mais rigorosa do juiz a disciplina melhorou. Nos últimos minutos o time da Luiza ganhava por três a dois, mas o adversário empatou e imediatamente a Luiza vale desempatou e o juiz encerrou o jogo 4x3 para os locais. Sob protestos dos visitantes. Como não havia outro jeito, os jogadores se abraçaram.

Donana após o jogo se dirigiu ao juiz Renato Biguá abraçou-lhe e disse já vi você jogar futebol gostei de ver, você é bom de bola, é bom juiz e um belo rapaz.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: FRPW (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.