A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Sonetos
 
Soneto dos espectros falidos
Por: Arnaldo Sanza

No limiar dos verões turvos
Brotam frutos amargos das almas decadentes;
Choram juntos os espectros infelizes
Nas sombras úmidas do umbral dos desesperados.

As noites entorpecentes estouram cabeças alienadas,
O vinho cataléptico sempre volta a fazer efeito...
E o serpentear das ruas que parem becos
Escondem o cheiro do vício dissolvido em orgasmos.

O silêncio veste as ruas e o assombro em vão
Da vida comum se difere das sombras dantescas
Que compõe a ópera das almas mutiladas.

Assim é o mundo breve dos desprezados,
O paraíso funesto de uma estirpe alucinada
Que plantam idéias murchas no canteiro de escolhas mortas.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: XJSK (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.