A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Maria de Fátima Gouveia
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Humor
 
MARIA JACINTA
Por: Maria de Fátima Gouveia

MARIA JACINTA

Maria Jacinta era o seu nome, acrescido de um apelido que não se encaixava na sua carnadura redonda e compacta: Fino.
Maria Jacinta Fino pisava diariamente o mundo da lua. Seus olhos, pequenos berlindes negros e reluzentes, vidravam quando se punha a sonhar com o fogoso príncipe que um dia viria salvá-la das infindáveis pilhas de louça a que estava condenada a lavar, na cozinha da tasca da dona Custódia.
Um nicho pavimentado a mármore polido, onde qualquer pingo de água, fazia com que Maria Jacinta batesse com os costados no chão.
Maria Jacinta, abominava lavar pratos. Aquele trabalho não combinava com um espírito apinhado de delicadezas, como o dela. O que ela gostava, mesmo, era de comer e dançar. Tudo o resto, era uma canseira.
Maria Jacinta era obesa, havia quem dissesse que ela pesava uma tonelada, um exagero. A rapariga tinha pouco mais de cem quilos. E era quase bonita, caso não tivesse os dois dentes da frente partidos, e uma verruga, mesmo na ponta do seu nariz grosso.
O buço era coisa insignificante, não chegava a bigode. Para rematar; uma voz fina e doce como o melaço.
Mas, desgraçadamente, Maria Jacinta não tinha quem a quisesse, a não ser o Gracindo Perneta. Um pau de virar tripas, zarolho e ainda por cima coxo que se perdera de amores por ela.
— Desce à terra, Maria Jacinta — dizia a irmã, que era o oposto dela. Desengonçada e magra como um galgo de corrida. — Quem mais te irá querer, senão o tonto do Perneta? Pode não ser bonito, mas possui um tecto, rebanhos de cabras e terras a perderem-se de vista e mulher no cemitério.
— O meu príncipe há-de chegar — dizia Jacinta rebolando os olhos pelo sonho.
De imediato estalava uma risota geral no tasco. Por entre as gargalhadas, alguém gritava: «Maria Jacinta, pareces um barril com pernas, o melhor, é esperares por um tanoeiro!»
E o tanoeiro chegou, com a encomenda da dona Custódia. Três barris trazidos por dois homens, Um gordo e um magro. O magro era o Toino Carago, que toda a gente conhecia naquela região. O gordo, o tanoeiro, era de outras paragens.
— Remberto Duque, um amigo ao dispor. — Disse ele, estendendo a mão sapuda à dona Custódia, que nem soube o que fazer com ela.
«Duque?!»
Aquela palavra soou como uma martelada na mona de Maria Jacinta, que logo se encantou da tal figura, tão bem acolchoada de carnes como de boas fazendas. Um dente de ouro e um sorriso nas ventas.
Maria Jacinta pensou: «Na falta de um príncipe, um duque vem mesmo a calhar. Solteira, não vou ficar!»
Saiu lampeira da cozinha com uma travessa de moelas na mão, ia tão agitada que trocou as pernas e estatelou-se ao comprido no chão.
Soou, nova risota geral, enquanto a pobre coitada, de cara atolada no molho, gemia envergonhada.
O duque apressou-se a ajuda-la a levantar-se, enquanto sussurra, enlevado:
— Dama tão bela e delicada, não é para ser criada. Se casares comigo, serás duquesa na terra da abastança. Não te faltará mesa farta, nem dança.
Maria Jacinta, ainda mal refeita do tropeção, correu à cozinha e numa euforia louca desatou a partir a louça, enquanto gritava:
— Acabou! Não vou mais lavar pratos! Vou casar! Vou casar!
De olhos esbugalhados, fixos no infinito, Maria Jacinta mergulhava as mãos sapudas na água e atirava os pratos para o chão. Uns atrás dos outros... Zás Pás, Zás Pás!
— De novo no mundo da lua, Maria Jacinta? — Berrou a Dona Custódia, enfurecida. — Vou descontar o prejuízo no teu ordenado!
Maria Jacinta despertou de repente e olhando ao seu redor assustou-se de ver tanto caco espalhado pelo chão. Do tal Duque, nem assombração.
Pelo buraco do postigo, Zé Perneta perguntou com um sorriso matreiro:
— Sonhando comigo, princesa?

MFG.









 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: HKHc (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.