A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Humor
 
MOIÔ O REGO, JÁ ERA!
Por: Tolentino e Silva

Certo dia um tropeiro, ao perceber que não dava para continuar sua jornada, em virtude da forte chuva que caía sobre a região e já estava escurecendo, resolveu juntar o gado numa baixada e pediu pousada numa casinha nos arredores. Ele usava um enorme capote que cobria ele e o animal, mas já estava encharcado. Chegou até a porta e chamou. Apareceu um senhor, com ar de moço bom e vendo o tropeiro com seu capote demasiadamente molhado, o convidou para entrar e perguntou:
- Moço, cumé cocê guenta viajá pra tão longe quessa capa moiada destanto?
Tirando o capote, encostou-se no fogão à lenha, para se aquecer, respondeu:
- Óia moço, cumé memo o seu nome?
- Bastião, mai o sinhô pode mi chaá de Tião ou tão, é o queles fala puraqui.
Respondeu o dono do rancho.
- Poisé seu Bastião, eu num impolto com distança, chuva, vento, noite, sol quente não, sabe? Mai vou contá procê: eu viajo inté num moíá o rego, moiô o rego eu afroxo. Num sei puiquê, mai num dá, num dá memo pra cuntinuá viage com rego moiado!



Atualizado: 29/08/2021

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: GUee (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.