A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

José Arthur de Oliveira
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Ensaio
 
DEUS, ESPAÇO, TEMPO
Por: José Arthur de Oliveira

Incomodava-me a descrença dos céticos em relação a existência de um Deus pois estes, com melhores conhecimentos da Ciência deveriam intuir sem dificuldades, a respeito.
Bastaria servir-nos da lógica e esta entidade seria quase um axioma.

Vejamos: se na origem dos tempos havia um espaço cósmico isotrópico, ou seja, sem nenhuma densidade, concentração de matéria ou radiação, assim, invariável em todas as direções, completamente homogêneo; mas em dado momento ocorre uma "singularidade" que denominamos BIG BANG, e a partir daí tudo o que existe, seja corpos estelares, matéria organizada... e vida.

A primeira conclusão é que este fenômeno, dadas as condições do isotropismo cósmico, poderá ter ocorrido milhões de vezes antes deste que estamos considerando, e ocorrerá outro tanto, depois. Por que apenas o nosso BigBang e jamais nenhum outro?

Embora o conceito de espaço/tempo, sem limites sejam comuns à nossa compreensão, na verdade estes conceitos trazem consigo reflexões de consequências profundas e inesperadas.

Se temos uma eternidade que não pode ser avaliado antes do ocorrido, e logicamente tê-la-emos depois, o fenômeno certamente sucederá com certa regularidade neste infinito espaço cósmico.
Nada é mais lógico e este raciocínio decretaria a necessária existência de alguma entidade organizadora, fora da matéria, e esta seria a causa destas singularidades... gerando os Multiversos.

Muito óbvio e tranquilo, mas... a "causa" deste fenômeno é indetectável e até mesmo inconcebível à nossa mente.
Vamos simplificar: numa linha de tempo onde o princípio e o fim são indeterminados, por qual razão, há 14 bilhões de anos teria ocorrido o nosso Big Bang? Trilhões e trilhões de anos perpassando e tudo permanecia calmo e silencioso???

Outros trilhões de anos virão, e nada de novo ocorrerá?
Num espaço cósmico igualmente destituído de um ponto de origem ou fim, somente ali, naquele modesto ponto insignificante... somente ali estaria destinado a tudo acontecer? E somente uma única vez?

Este devastador raciocínio, envolvido por uma lógica simples certamente deveria conduzir toda filosofia e ciência à conclusão de que algo extraordinário existe. Muito além de nossas concepções... totalmente fora de nossa realidade.
Mas não é bem assim.
Inobstante, se de fato existem múltiplos universos, evolução e vida pululantes no cosmo infinito, qual a necessidade de um Deus das singularidades. Gostando ou não tudo seria como sempre foi e continuará sendo.

Mas a ciência encontrou uma forma de evitar tais complicações com um único decreto:
O Tempo e o Espaço, antes do Big Bang não existiam.
Simples assim.
Einstein e Stephen Hawking, imaginaram uma rede cuja trama seriam o espaço e o tempo, e convidaram-nos a imaginá-la tensa, totalmente esticada.
Atirando sobre ela uma esfera massiva, por exemplo, todos os filamentos da trama se alterariam e os demais corpos entrelaçados, por ali, teriam suas posições iniciais alteradas... fizeram a experiência e assim se deu, de fato. Pronto... estava provada a existência do tecido Massa x Tempo.

Omitiram, não se sabe por que, a influência da Gravidade introduzida pela nova massa, afetando os demais corpos, como de início era de se supor.

Num espaço cósmico infinito, em um tempo infinito, tudo o que ocorre em dado momento e em dado lugar, também ocorrerá em outro lugar em outro momento, e assim por diante.
Curiosamente me ocorre que apenas três entidades admitem os conceitos de eterno e infinito.

A trindade cósmica: - DEUS, ESPAÇO e TEMPO.

Eu gostaria de evitar que a simples lógica dessa proposição encontrasse como resposta o mesmo de sempre, trazer Deus para o centro do debate, e, menos ainda, um Deus Bíblico. É lógica admirável por tão simples, e não refutável. - Se ela leva a concluir pela existência de um Deus, não vem ao caso, apenas sugere que algo extraordinário precisa estar por trás daquela ocorrência. Dizer-se por outro lado que não sabemos as respostas não exclui a necessidade de se teorizar a respeito, discutir, deixar o comodismo do “não sabemos”, como se isso fosse uma condescendente atitude científica.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: AEMI (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.