A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Conto
 
MATRIZ ÔNIBUS OU CHIQUEIRO AMBULANTE
Por: OdionMonte

Em Cuiabá, Cidade distante , na rodoviária, plataforma cinco entra entra um moreno gigante, aparência bela, todo possante. Imagino que irei viaja em uma espaçonave, porta se abre, primeiro momento decepcionante omoreno possante por fora, por dentro nada mais era que um anão adante. Corredor imprenssado, poltronas pequenas, um mal cheiro que mais parecia um vencido desodorante de quinta categoria, mas passagem já comprada agora era entrar e encarar o longo e cansante caminho tão, tão, tão distante. Primeira parada entra uma linda moça e elegante, diferenciando o ambiente e o tornando aceitável. Quem era essa moça elegante? Ruti era seu nome, um nome pequeno mas com letras que formam uma grandiosidade, "R" de Rainha, "U" de Universo, "T" de Tentanção e "I" de Infinito. Essa moça depois de algumas conversas me tira dos ombros um cemitério de cruzes, mas isso contarei em breve em poesia. Agora vamos ao assunto iniciado, dentro do ônibus, crianças gritando, outras chorando e até uma pessoa roncando como se fosse um porco a degustar uma mandioca no chiqueiro. Ruti desce em sua Cidade e eu sigo na viagem longa e angustiante, por milhares de quilômetros continua crianças gritando, outras chorando, o "porco" ainda roncando e para completar a fossina uma das crianças começa a vomitar exalando pelo ambiente um terrivel odor, pessoas continuam a ir ao banheiro que a essa altura era mais uma latrina que realmente um banheiro de ônibus. O lixo aumenta no corredor e eu pra poder melhorar um pouco o ambiente fechava os olhos lembrando de Ruti, que foi a minha salvação nessa longa, triste e sofrida viagem, mas como nem tudo é ruim, me veio conhecer Ruti para em suavez mas duras e verdadeiras palavras me fazer enchergar o que realmente eu estava passando, mas como falei isso é pra outro momento em poesia. Agora finalizando a istória dessa longa e cansativa viagem me lembra o possante, que por fora era um colosso, mas por dentro mais parecia um "chiqueiro ambulante"...!

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: gXNC (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.