A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
O caos e sua espiral...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Qualquer ser humano, em bom estado de lucidez, sabe que apagar incêndio com gasolina não é um bom negócio. E não é de ontem, quando algumas notícias internacionais trataram do Brasil, que já temos sido avisados que o país está fora do mapa mundi. A Pandemia é o fiel da balança nesse momento, por isso não adianta dobrar a aposta sobre a sua má gestão. Inclusive, porque isso não deixa de ser um balizador para outras áreas do governo, além da própria Saúde.
Portanto, ameaças veladas de caos sobre o caos são de uma estupidez sem precedentes. O que mais o país quer perder? Vidas humanas estão sendo perdidas a rodo. Credibilidade ambiental, também. Ascensão econômica, melhor nem comentar. ... Podem, até não admitir, mas o consenso de que o Brasil já é um pária internacional circula entre as altas rodas do poder mundial. E tudo o que o mundo civilizado pretende nesse momento é reunir esforços para superar os efeitos catastróficos que a Pandemia impôs a todos. A paciência com desvarios alheios está fora de cogitação.
Se o Brasil quer chamar, ainda mais, a atenção do mundo para o seu modo “sui generis” de governar, está escolhendo a maneira errada. Quaisquer desarranjos internos no país que coloquem em risco a seguridade sanitária internacional terão respostas diplomáticas a contento. Ninguém vai assistir de camarote a um eventual curto circuito do país e permitir que novas variantes do Sars-COV-2 se espalhem rapidamente pelo planeta.
Principalmente, porque lá fora os governos não se fiam em conversinhas de corredor. As relações diplomáticas e comerciais acontecem pautadas por aspectos técnicos, de ações práticas, passiveis de comprovação in loco. Não é à toa que as últimas décadas do século XX e as primeiras do século XXI têm contribuído tão intensamente para o contínuo desenvolvimento de processos de monitoramento via satélite.
Mais do que o trabalho imprescindível da imprensa, na comunicação e informação de tudo o que acontece no mundo; a verdade é que há milhares de olhos cibernéticos a vigiar a Terra a partir da imensidão azul do espaço sideral. E eles não deixam dúvidas sobre o que acontece de micro e de macro aqui embaixo, tornando certas verdades, muito mais, incontestáveis.
Não é hora de valentia bravateira! A conjuntura do agora é de seriedade, de austeridade. Seja para pessoas. Seja para governos. Esse é um momento de aprender a ser dentro de um panorama totalmente novo. E se ajustar as transformações, especialmente quando elas são abruptas demais, não é uma tarefa simples. Ainda que muitos não admitam; mas, a população está fragilizada, confusa, perdida diante dos acontecimentos. Ela precisa de um norte, de uma liderança que seja capaz de guiá-la por caminhos menos difíceis e tortuosos.
Alguém que possa entender exatamente o significado do que disse o empreendedor e palestrante motivacional, Jim Rohn, ou seja, “o desafio da liderança é ser forte, mas não rude; ser gentil, mas não fraco; ser ousado, mas não um valentão; ser humilde, mas não tímido; ser orgulhoso, mas não arrogante; que tenha humor, mas sem loucura”. Em suma, alguém que se permita conduzir pelo diálogo e o bom senso; pois, “infeliz a nação que precisa de heróis” (Bertold Brecht – “A vida de Galileu”, cena 12, p.115, 1938).
Portanto, a necessidade de uma figura como descrita acima é porque urge a presença de alguém que assuma a responsabilidade, em agir com habilidade e competência suficientes, para mudar a direção dos fatos. Afinal de contas, até aqui, o que vigora nas entrelinhas dos acontecimentos é que esta “não é uma questão se a guerra é real ou não é. A vitória não é possível. A guerra não é destinada para ser ganha. É destinada para ser contínua. Uma grande sociedade arcaica só é possível às custas da pobreza e da ignorância” (George Orwell – escritor e jornalista inglês).

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: XeSM (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.