A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Reduzidos... Encolhidos... Achatados...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



A notícia de que a classe média atingiu o mesmo patamar da classe baixa no país, em 2021 1, até certo ponto, não surpreende. Um pouco de atenção e observação quanto ao cotidiano dos cidadãos e as notícias referentes à Economia, para se construir um balizamento a respeito dos rumos da sociedade brasileira, incluindo a sua própria estratificação.

Culpa da Pandemia? Talvez, em parte; mas, não apenas dela. O que acontece é que em uma circunstância tão adversa, como é uma pandemia, a dinâmica da vida se altera para padrões não projetados, muito distantes das perspectivas e expectativas que conduziam os processos de gestão das demandas sociais.

Afinal de contas, um rearranjo das prioridades acontece inevitavelmente e os esforços precisam se concentrar nas garantias da sobrevivência humana. Desacelerando áreas importantes da grande economia mundial, em contrapartida de outras que precisam ser aquecidas e melhor implementadas. Mas, isso é uma discussão que cabe mais apropriadamente aos especialistas do setor econômico, em face da sua imensa complexidade.

Então, decidi propor uma reflexão mais humanista sobre esse “encolhimento” da classe média, porque sobre ele se debruça a desigualdade social. O achatamento dos estratos sociais traz à tona a realidade de uma conjuntura de perdas: de poder aquisitivo, de acessibilidade a bens e serviços, e de manutenção de direitos fundamentais. Em suma, a síntese da reescrita de sua dignidade cidadã.

O dia a dia dessas pessoas, portanto, tende a ser muito mais desafiador. Elas precisam fazer o mesmo com muito menos à sua disposição, então, se submetem a viver sob um regime rígido de contenção de gastos. Elas sobrevivem no limite do essencial. Elas não sabem o que é o supérfluo; o qual, muitas vezes, nem poderia ser assim classificado. De modo que chega a um determinado ponto em que elas não conseguem mais se manter e decrescem no estrato da sociedade por total incapacidade de suprir as suas demandas, apesar de todos os esforços empenhados nesse sentido.

É aí, que algo chama a atenção, no caso brasileiro. É de conhecimento público que o país optou, na atual gestão, por uma política econômica radicalmente liberal, o que pode ser traduzida por um modo extremo de preterir as parcelas menos favorecidas da população, em nome de beneficiar as mais privilegiadas.

Acontece que a Pandemia do Sars-COV-2 surpreendeu ao mundo. Deu de ombros aos infundados prognósticos de fenômeno passageiro e segue seu curso sem dizer quando vai embora. De modo que, sem maiores surpresas, o estrito planejamento econômico brasileiro foi, então, lentamente indo por água abaixo. Tanto pelas conjunturas globais quanto pela carência de uma estrutura mais flexível e antenada ao curso do mundo contemporâneo. O que em resumo representou uma armadilha para o próprio governo.

Ora, as conjunturas de perdas sociais implicam necessariamente na impossibilidade de sobreviver no cenário das conjunturas econômicas do próprio país, tornando as camadas mais vulneráveis, cada vez mais dependentes das ações das políticas públicas.

Traduzindo em miúdos, não serão apenas mais pessoas dependendo do Sistema Único de Saúde (SUS), porque não conseguem mais arcar com um plano de saúde privado. Ou mais alunos para a rede pública de ensino, porque não conseguem mais pagar as mensalidades na rede particular. Esse “achatamento” social representa, portanto, uma redução exponencial de público para diversos segmentos da indústria, comércio e prestação de serviços.

Uma reação em cadeia de desemprego, de encerramento de atividades, de geração de receita, enfim... Porque, quanto mais desprivilegiados estão os estratos sociais da base da pirâmide, mais se estabelece uma impossibilidade de restauro do equilíbrio traçado para o desenvolvimento do país. Compra quem pode. Possui quem pode. Enfim...

Mas, não para por aí. Sob um outro viés, ainda que muitas pessoas insistam em desconsiderar, a saúde pública é outro gargalo seríssimo, como já demonstra a Pandemia. A questão é que os problemas tendem a ser piores, porque as variantes do Sars-COV-2 têm se mostrado mais agressivas e deixado sequelas graves nos sobreviventes. Assim, serviços como fisioterapia, hemodiálise, neurologia, psicologia, precisarão ser expandidos em todo o país para conseguir dar vazão a esse novo contingente de demandas.

Como escreveu Milton Santos, “ Consumismo e competitividade levam ao emagrecimento moral e intelectual da pessoa, à redução da personalidade e da visão do mundo, convidando, também, a esquecer a oposição fundamental entre a figura do consumidor e a figura do cidadão”. Se havia alguma dúvida quanto à importância em se combater a desigualdade, creio que não mais. O empobrecimento não é uma mera questão de descer no estrato social. Quanto mais as pessoas são tratadas indignamente mais recursos serão demandados para alavancar o país.

Nem adianta tentar olhar o mundo do século XXI, com olhos do século XIX ou XX. Enxergando objetos em lugar de seres humanos. Explorando vidas, como quem moi o bagaço da cana em busca do mel. Porque essa pseudorriqueza esvai no sopro do imprevisível que ninguém comanda. Por isso, tenhamos sempre em mente que “... rico só é o homem que aprendeu, piedoso e humilde, a conviver com o tempo, aproximando-se dele com ternura, não contrariando suas disposições, não se rebelando contra o seu curso, não irritando sua corrente, estando aberto para o seu fluxo, brindando-o antes com sabedoria para receber dele os favores e não a sua ira; o equilíbrio da vida depende essencialmente deste bem supremo, e quem souber com acerto a quantidade de vagar, ou a de espera, que se deve pôr nas coisas, não corre nunca o risco, ao buscar por elas, de defrontar-se com o que não é” (Raduan Nassar – Lavoura Arcaica).


1 https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2021/04/17/classe-media-brasil-pandemia-encolhe-reducao.htm

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: RFGA (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.