A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Não há inimigo pior ...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Não há inimigo pior para o ser humano do que ele próprio; sobretudo, quando ele se envolve no manto da intempestividade. Destacando-se no cenário de especulações e conjecturas eleitoreiras para 2022, pode-se dizer que o Presidente da República tem se excedido nas manobras sobre o tabuleiro do poder e angariado reveses importantes.
Talvez, por uma busca excessiva por um adversário ideal mais adiante, as tentativas de desqualificação e construção de impopularidade aos pretensos oponentes estão se esvaindo por suas próprias mãos e erros de cálculo.
Ontem foi mais um 22 de abril a ser esquecido pelo presidente. Primeiro, porque seu discurso na Cúpula do Clima contradisse seus imensos esforços em reduzir a pó o trabalho de seus antecessores. Ao valer-se dos bons resultados brasileiros em um passado recente, ele omitiu sua gestão, até aqui, pela dificuldade que teria em explicar a desconstrução e alteração das bases gestoras sob cuidados do Ministério do Meio Ambiente; o que resultou na promoção de uma escalada de maus resultados estatísticos, no que diz respeito a preservação e conservação dos recursos naturais.
Segundo, porque o pleno do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a decisão sobre a imparcialidade do ex-juiz Sérgio Moro em ação contra o ex-presidente Lula, depois de já terem declarado a incompetência da Vara Federal de Curitiba para julgar o ex-presidente, nas ações penais relativas aos casos do tríplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e do Instituto Lula (sede e doações). De modo que ele, agora, volta a gozar de seus direitos políticos e se torna um forte pretenso candidato para 2022.
Se o presidente não fosse inimigo de si mesmo não teria caído nessas esparrelas. Sua ânsia pelo adversário ideal, que não lhe imponha obstáculos e dificuldades de vitória, está sim, criando problemas sérios.
Com grande atraso, agora se sabe como operou os trabalhos dos adeptos da direita e extrema direita nacional para romper com os ciclos de governança contrários as suas opiniões e interesses. De modo que foi por esse caminho que ele se uniu ao ex-juiz, envolvendo-se pela bandeira da “anticorrupção” e o promovendo depois a seu Ministro da Justiça.
Acontece que antes de chegar ao centro do poder federal, o ex-juiz já havia angariado uma popularidade expressiva e trazia consigo uma plataforma de trabalho própria a ser implementada.
Foi o bastante, então, para que as rusgas se exacerbassem e culminassem nas farpas da fatídica reunião de 22 de abril de 2020, quando o desalinhamento dos discursos se mostrou evidente e o ex-juiz, logo em seguida, pediu exoneração do cargo de Ministro. De certo modo, em um primeiro momento, o resultado passava a ideia de que acabara de se construir a desconstrução de um pretenso oponente.
No entanto, ainda não se imaginava que o ex-presidente voltaria ao cenário político, justamente, a partir da análise dos pedidos peticionados pela sua defesa em relação ao ex-juiz. Porque, a verdade da história, naquele momento, ainda transitava pelas tais linhas tortas da vida.
A aliança que havia sido estabelecida, com vistas ao sucesso do pleito de 2018, começava, então, a se desfazer para as pretensões de 2022, diante da reorganização das conjunturas, as quais não mais favoreciam nem ao atual presidente e nem ao ex-juiz.
Mas, não se pode esquecer de que, antes disso, o presidente já havia operado da mesma maneira contra o Governador de São Paulo, na sua cruzada insana contra a vacina CoronaVac, produzida em parceria entre o Instituto Butantã e a Sinovac chinesa, para proteção contra a COVID-19.
Ciente das pretensões do governador, em relação ao pleito presidencial de 2022, a liderança nas tratativas em relação à vacina precisava ser contida. Então, ele se colocou em oposição à aquisição dos insumos para produção nacional e das vacinas já envazadas; bem como, da sua aplicação junto à população.
Claro que prejuízos de natureza temporal ocorreram; mas, no frigir dos ovos, o empenho do governador acabou rendendo destaque e protagonismo, no cenário tão tumultuado da gestão da Pandemia no país.
Diante do crescimento exponencial das mortes pelo Sars-COV-2 e a pressão da opinião pública nacional e internacional por uma vacinação ágil e efetiva, o presidente não teve outro caminho a não ser apoiar as vacinas disponíveis no país, incluindo a CoronaVac.
Sem contar que, contrariando as expectativas do presidente, frente a possibilidade de o ex-presidente voltar ao cenário político, o governador sinalizou publicamente a sua pretensão a reeleição ao cargo atual. De modo que os prognósticos quanto ao futuro foram se desfazendo sem controle.
William Shakespeare já dizia, “ou você controla seus atos, ou eles o controlarão”. O tabuleiro do poder não é para amadorismos, precipitações, inquietudes vãs. É preciso saber o que fazer, por que fazer, quando fazer; afinal, como tudo na vida, sobre o poder residem consequências imprevisíveis.
Basta ver, o tamanho dos estragos que o diminuto inimigo viral tem nos feito experimentar. Os desdobramentos das catástrofes climáticas, que se abatem sobre o planeta, em decorrência da fiação perversa e desordenada dos seres humanos. ... Tudo o que acontece na vida faz parte do jogo.
Por isso, não se pode jamais esquecer de que “a felicidade e a liberdade começam com a clara compreensão de um princípio: algumas coisas estão sob nosso controle, outras não. Só depois de lidar com essa questão fundamental e aprender a distinguir entre o que você pode e o que não pode controlar, é que a tranquilidade interna e a eficácia externa se tornam possíveis” (Epiteto – filósofo grego estoico).
Caso contrário, haverá sempre a sombra de um fantasma que cresce e se alimenta no cerne de seu próprio sentido, até que, um dia, consiga consumi-lo de tanta exaustão, sem ao menos lhe dar a possibilidade de responder “Onde foi que eu errei? ”.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: NWOP (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.