A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
De volta ao Brasil Colônia?!
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Pelo menos é o que parece traduzir a notícia, de que entidades de produtores rurais, em todo o país, organizam para o próximo dia 15 de maio atos de apoio ao governo federal e ao fim das medidas de isolamento social adotadas por governadores e prefeitos; bem como, contra o Supremo Tribunal Federal (STF). Cientes de seu papel importante e secular no equilíbrio da balança comercial brasileira, não é de se estranhar tal comportamento.

A questão é que estamos no século XXI e o Brasil, assim como o resto do mundo, sobrevive a partir da satisfação de outras necessidades que ultrapassam os limites do agronegócio. Sendo assim, a impressão que se tem é de que estão demasiadamente absortos em si mesmos, ao ponto de não conseguirem perceber as implicações de seus posicionamentos político ideológicos para o desenvolvimento do país como um todo.

A certeza de navegar em mares de aparente calmaria levaram o Titanic a afundar. Então, como diz o provérbio, “ao ver a barba do vizinho pegando fogo deve-se colocar a sua de molho”. Ora, o país já convive com o êxodo das multinacionais, em face da instabilidade política, jurídica e do chamado “Custo Brasil”, o qual representa um conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas, trabalhistas e econômicas que geram obstáculos concretos e negativos ao ambiente de negócios e comprometem a competitividade dos produtos no mercado global e os investimentos estrangeiros em seu território.

Sem contar, o quanto o governo se mostrou negligente e despreparado para enfrentar as consequências da Pandemia e dar o suporte necessário, o qual seus importantes parceiros comerciais internacionais demandariam no momento. Então, só para citar algumas dessas multinacionais, o Brasil se despediu da Sony, depois de 48 anos na Zona Franca de Manaus. A Ford, a Audi e a Mercedes, no campo da indústria automobilística. E outras, de segmentos variados, como a Nike, Fnac, Walmart, Nikon, Brasil Kirin, Häagen-dasz, Glovo, RR Donnelley, Lush Cosméticos, Kiehl’s e Eli Lilly.

O que significa que essas perdas contribuíram para elevar o número do desemprego no país, que já era bastante expressivo. Os últimos dados divulgados em 30 de abril, dão conta de que entre desempregados e desalentados o país alcança a triste cifra de aproximadamente 20 milhões de seres humanos. E por consequência desse movimento há, também, o acirramento da condição de pobreza.

Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o número de pobres que era de 9,5 milhões de pessoas em agosto de 2020, agora ultrapassa a fronteira dos 27 milhões em fevereiro de 2021. De modo que a chamada “classe média”, que em 2011 representava 54% da população, depois reduziu para 51% em 2020, agora é de 47% em 2021, o mesmo percentual da classe baixa.

E esses são números que impactam diretamente o agronegócio, porque nem só de exportação vivem eles. Quando os mercados se fecham lá fora, por excesso de oferta, melhores condições de comércio, sazonalidade climática etc., ou eles negociam aqui dentro ou perdem seus investimentos bilionários.

Acontece que, diante do quadro atual, a perda do poder aquisitivo pela população impõe uma nova dinâmica de prioridade de produtos. O orçamento das famílias inicia um movimento malabarista para garantir o essencial ou, pelo menos, a cesta básica. Afinal, não se pode esquecer que a elite brasileira só representa 6% da pirâmide social.

De modo que, não me parece possível, o setor do agronegócio ser capaz de resolver sozinho essas questões; nem tampouco, encontrar motivos razoáveis para, diante delas, ainda, ser capaz de apoiar o governo e propor insurgir contra o STF e quaisquer medidas que possam salvar a vida de milhões de cidadãos brasileiros.

Isso me parece muita presunção ou apego exacerbado sobre um tempo em que o apogeu do país estava pautado no setor primário, ou seja, na extração de matérias-primas naturais e minerais. Entretanto, aquele Brasil da “Casa Grande e Senzala” original ficou nas páginas da história; muito embora, os desdobramentos e consequências sociais nefastas desse período reverberem por outras formas e conteúdos contextualizados a contemporaneidade.

Portanto, só posso dizer que é triste, muito triste, saber que em plena Pandemia e frente a tantos desafios socioeconômicos a serem enfrentados, o Brasil se permita fragmentar, polarizar, ideologizar, para, no fim das contas, negociar em mercado de escambo com vidas humanas. Vidas, cujas gerações seculares, permitiram que o país caminhasse sobre as vias urbanizadas e industrializadas sopradas pelos ventos da Modernidade e que fizeram com que ele usufruísse, ainda que a sombra dos grandes, as novidades do mundo.

Mas isso, infelizmente, parece ser mesmo Brasil! Quando encontramos em sua história, em pleno século XIX, palavras como estas, do jornalista e escritor Euclides da Cunha, “Nostalgia e revolta: tu não imaginas como andam propícios os tempos a todas as mediocridades. Estamos no período hilariante dos grandes homens-pulhas, dos Pachecos empavesados e dos Acácios triunfantes. Nunca se berrou tão convictamente tanta asneira sob o sol! [...] É asfixiante! A atmosfera moral é magnifica para batráquios. Mas apaga o homem. [...]” 1. Porque elas nos dão a devida dimensão de como este é um país desvirtuado da lógica, do bom senso e do respeito pela ação malévola da cobiça e da vaidade.


1 https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/7/14/mais!/12.html

https://www.ebiografia.com/euclides_cunha/

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ATaB (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.