A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Eu vou. Tu vais. Ele vai. ...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Mais de 420 mil mortes pela COVID-19, no Brasil. Razão mais do que suficiente para mantermos as medidas sanitárias preventivas, tanto individual quanto coletivamente. Mas, nesse mar tumultuoso da Pandemia, estamos cientes de que uma corrente contrária é liderada pelo próprio Presidente da República.
Infelizmente, ele não se incomoda e nem se constrange em agir sob negação dessas práticas, o que gera um profundo descontentamento entre os que apresentam uma compreensão diferente a respeito. De modo que a indignação corre solta nas mídias sociais.
E de tanto observar essa promoção contínua de ruídos, de repente, algo saltou das entrelinhas, depois que o presidente convocou seus apoiadores a saírem às ruas, no próximo dia 15 de maio, e manifestou-se da seguinte maneira: “eu vou lá para o meio”. De fato, ele tem estado constantemente se permitindo aglomerar e desrespeitar as medidas sanitárias; porém, esse não é o ponto.
Um ser humano que enfrentou o infortúnio de um atentado, por arma branca, em plena campanha eleitoral e, posteriormente, foi submetido a diversas cirurgias, por intercorrências médicas oriundas desse ferimento inicial, seria, no mínimo, mais previdente e evitaria se expor dessa maneira. Sem contar que esse episódio o impediu de participar dos debates eleitorais, promovidos na ocasião, e, dessa forma, ele não pode dar visibilidade as suas propostas enquanto candidato à presidência.
Por isso, sendo a autoridade maior do país, a própria investidura do cargo já demanda um comportamento mais cauteloso e prudente, dada a responsabilidade que se tem nas mãos. Haja vista, como demorou, por exemplo, o prefeito da cidade de São Paulo, para afastar-se das suas atribuições, a fim de se dedicar ao tratamento de uma doença em estágio muito grave. Porque essas transferências transitórias, embora decorram de motivos de saúde, implicam em aspectos técnicos e burocráticos importantes e complexos.
O que significa que todo gesto de cautela manifesto pelo presidente, por si só, seria plenamente justificável. No entanto, além disso, ele mesmo vem reiterando aos veículos de informação e comunicação: “Só Deus me tira da cadeira presidencial”. E se ele tem tanto apreço ao cargo, como parece revelar essa afirmação, é estranho que ele não se sinta desconfortável em fomentar situações de risco desnecessárias. Afinal, altivez não tem nada a ver com coragem. Se expor inadvertidamente não é sinal de valentia.
Sem contar, que já não restam dúvidas quanto ao seu perfil centralizador de governança. Por mais que ele se sinta amparado por uma assessoria de total confiança, no caso de uma eventual excepcionalidade, reza o dito popular que “é o olho do dono que engorda a boiada”.
Ora, por trás de qualquer função ou trabalho está a marca identitária de quem o realiza, porque ali se encontram sonhos, interesses, resultados esperados, ... que são da ordem do subjetivo daquele indivíduo. Por mais que o outro devote boa intenção, o outro é sempre o outro. Um olhar diferente. Uma perspectiva diferente. Uma atitude diferente. Enfim...
Em contrapartida, também, causa estranheza pensar se os apoiadores dele o têm em tão alta conta, porque não manifestam esse apreço desmobilizando esse tipo de atitude? Parecem tão enceguecidos no seu ideário mítico que confundem o presidente com qualquer estrela do cenário midiático. Segundo Torquato Tasso, poeta italiano do século XVI, “O que o mundo chama de mérito e valor são ídolos que têm apenas nome, mas nenhuma essência. A fama vos encanta, vós altivos mortais, com um doce som, e que parece tão bela é um eco, um sonho, melhor que um sonho, uma sombra, que a cada sopro de vento se dispersa e desaparece”.
Assim, não é à toa, terem se esquecido do seguinte fato, há pouco mais de 2 anos, foram às urnas para o eleger e garantir as suas expectativas quanto aos rumos da governança nacional. Entretanto, nem se deram ao trabalho de verificar se está tudo como sonharam em ver. Estão sob euforia. E isso deveria preocupar ao maior interessado.
Porque se eles estão assim, não se preocupam consigo e nem com os outros. De certa forma, uma consequência natural da contemporaneidade, quando tudo é breve. 15 minutos de fama e um novo ídolo surge para ocupar o lugar, porque já estão sob fastio. Os interesses, as necessidades, as vontades, ... tudo é fugaz. Então, basta que alguém apareça manifestando o discurso que satisfaça aquele recorte de tempo e a debandada de apoio acontece. Como escreveu Zygmunt Bauman, “Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar”.
Essa é, portanto, uma breve reflexão. Mas, dela se abre espaço para começar a dissecar as camadas que se sobrepõem a realidade visível; pois, “A pior cegueira é a mental, que faz com que não reconheçamos o que temos pela frente” (José Saramago – Ensaio sobre a Cegueira). Só assim, conseguiremos conectar as obviedades e destilar os desvarios, até extrair as gotas de sanidade que purificam a razão.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: RWeJ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.