A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Patriota..., mas não muito!
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



“Após promessa de dobrar recursos, governo corta orçamento do Meio Ambiente” 1. “Desenvolvimento Regional e Educação têm maiores cortes no orçamento” 2. “Orçamento da Saúde tem corte de R$20 bilhões em 2021” 3. “Vacinas, bolsas e serviços: universidades preveem apagão com corte de verba” 4. “Auxílio emergencial: Com benefício reduzido em 2021, Brasil terá 61 milhões na pobreza” 5. “Estudo do Dieese mostra alta da cesta básica e defasagem do salário mínimo” 6. “Brasil tem 14,4 milhões de desempregados – maior número da série histórica” 7. “Brasil tem 2.949 mortes por COVID-19 em 24h; total passa de 428 mil” 8... Sem arrastar as correntes do passado nacional, essas são algumas manchetes que traduzem o panorama do Brasil atual.

À primeira vista, poderíamos nos iludir com a ideia de que tantas mazelas fazem o país se entristecer, ou se constranger, ou, quem sabe, até, se desculpar. Só que não.

Porque o patriotismo brasileiro não chega a tanto. Nem passa perto de se sensibilizar com o próprio esfacelamento do país. Haja vista a notícia bombástica do dia: “Portaria eleva salário de Bolsonaro e ministros em até 69% e estoura teto constitucional” 9. Ainda que “o barco esteja fazendo água”, ninguém parece preocupado em salvá-lo.

De tão surreal, tudo o que está acontecendo no país, e no mundo, confesso que tem sido difícil viver sob uma inversão de parâmetros tão absurda. O choque, o estranhamento, diante das notícias, é porque as prioridades do país tornaram-se outras, apesar das conjunturas. Como se optassem por construir uma governança de caráter ficcional e não real.

A verdade é que há pouco mais de 2 anos, o Brasil realiza cortes profundos naquilo que é de interesse direto da população; mas, não estanca a sangria da gastança supérflua, oriunda do próprio governo. Nunca se viu tanto apreço pelas regalias e privilégios, como agora. Quem assistiu ao filme “Maria Antonieta” (2006), há de se lembrar dos excessos da corte francesa Pré-Revolução, no século XVIII.

O próprio orçamento federal recém-aprovado pelo Congresso foi considerado por muitos economistas e especialistas na área de gestão pública, como uma “peça de ficção”, que por conta de todos os malabarismos incluídos pode travar o funcionamento da máquina pública em breve. De modo que o peso imposto pelas desigualdades somado aos impactos da Pandemia ameaça, e muito, a sobrevivência do próprio país.

Então, nem precisa perguntar quem irá pagar a conta de tudo isso, porque já estão pagando. Antes, podíamos nos referir aos pobres, miseráveis e invisíveis o ônus dessa função. Mas, agora, todos estão pagando por essa conta; na medida em que os ultraliberais da extrema-direita nacional tomaram emprestado a filosofia de seus arqui-inimigos socialistas sobre a supressão das classes sociais e as estão dissolvendo, achatando, até que só existam dois extremos, milionários e paupérrimos.

No fim das contas, o patriotismo que vigora na Terra Brasilis é “cada um por si e Deus por todos”, porque não há, nem nunca houve, senso de unidade, de coletividade por aqui. E cada dia mais, temos nos parecido com qualquer reprodução desbotada das pinturas de Debret. Apegada ao ideário colonial absolutista, a minoria que detém o poder tenta constituir uma identidade nacional pautada, anos luz de distância, ao mundo high tech do século XXI. Estão tentando transformar o seu conservadorismo de fachada em ufanismo patriótico. Pois é, o Brasil não conhece o Brasil.

Não é à toa que “A maior desgraça de uma nação pobre é que, em vez de produzir riqueza, produz ricos” (Mia Couto – escritor e biólogo). E essa realidade faz com que jamais a sociedade, na sua grande parcela de sustentação, saiba o verdadeiro significado do patriotismo. Porque ela não alcança a consciência primeira do que é ser cidadão; na medida em que é preterida e privada de seus direitos fundamentais. Assim, o patriotismo, verde-amarelo, se enviesa e se superficializa cada vez mais.


1 https://www.correiobraziliense.com.br/economia/2021/04/4919825-apos-promessa-de-dobrar-recursos-governo-corta-orcamento-do-meio-ambiente.html

2 https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2021-04/desenvolvimento-regional-e-educacao-tem-maiores-cortes-no-orcamento

3 https://www.extraclasse.org.br/politica/2021/04/orcamento-da-saude-tem-corte-de-r-20-bilhoes-em-2021/

4 https://educacao.uol.com.br/noticias/2021/05/10/vacinas-bolsas-e-servicos-universidades-terao-apagao-com-corte-de-verbas.htm

5 https://www.bbc.com/portuguese/brasil-56843399#:~:text=O%20valor%20do%20benef%C3%ADcio%20foi,milh%C3%B5es%20de%20fam%C3%ADlias%20em%202021.

6 https://www.extraclasse.org.br/economia/2021/01/estudo-do-dieese-mostra-alta-da-cesta-basica-e-defasagem-do-salario-minimo/

7 https://vocesa.abril.com.br/economia/brasil-tem-144-milhoes-de-desempregados-maior-numero-da-serie-historica/#:~:text=A%20taxa%20de%20desocupa%C3%A7%C3%A3o%20para,Brasileiro%20de%20Geografia%20e%20Estat%C3%ADstica).&text=O%20aumento%20do%20desemprego%20foi,setembro%20a%20novembro%20de%202020).

8 https://exame.com/brasil/casos-de-coronavirus-numero-de-mortes-12-de-maio-de-2021/

9 https://valor.globo.com/politica/noticia/2021/05/13/portaria-eleva-salario-de-bolsonaro-e-ministros-em-ate-69percent-e-estoura-teto-constitucional.ghtml

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: RggN (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.