A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Psiu! Silêncio!
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Bem, os fatos, na verdade, são de conhecimento público. Os desdobramentos da Pandemia, no Brasil, são experimentados pela população há mais de um ano. As carências e dificuldades nos campos da saúde há décadas. Então, o silêncio do ex-Ministro na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a COVID-19, na próxima semana, traz sim, um sentimento de indignação coletiva e de desejo de reparação social muito exacerbado, na grande maioria da população.
Afinal de contas, ele é um servidor público comum e não agente político, conforme expresso pela Constituição Federal de 1988. Deveria, então, estar plenamente ciente de sua responsabilidade com a valorização da lei acima dos interesses privados, com as eventuais divergências ou convergências políticas/ideológicas e as simpatias ou desavenças pessoais, com os princípios éticos estabelecidos pela legislação no exercício da função, com a transparência na disponibilização de dados e informações; enfim, com a eficiência na administração pública. Por isso, tanto mal-estar.
Contudo, entre raivosos e aliviados com a solicitação do ex-Ministro junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para a manutenção do direito de permanecer em silêncio durante a sua oitiva no Senado Federal, isso diz mais do que se possa imaginar.
Primeiro porque já se exclui a possibilidade de tentar trair a verdade. Tendo em vista que os depoimentos se pautam em informações de outros depoentes, documentos e matérias jornalísticas, silenciar significa abdicar do direito ao contraditório e, portanto, ratificar eventuais pontos de vista que podem lhe comprometer de alguma forma.
Assim, embora, convidado a depor na CPI, como testemunha, a opção por silenciar parece ter o impacto de lançá-lo aos braços da autocondenação, antes mesmo, que qualquer palavra lhe seja proferida pelos outros.
Na verdade, o silêncio produz uma aura de vulnerabilidade, ainda maior, sobre o ex-Ministro, porque lhe faz transparecer uma consciência de fragilidade incapacitante em promover quaisquer manifestações de autodefesa.
Como se o peso daquelas narrativas estivesse efetivamente acima da sua capacidade de desconstruí-las ou reformulá-las, de forma a atenuar seus contornos mais questionáveis e tornar sua compreensão um pouco mais palatável a opinião pública.
Além disso, ao se propor ficar sentado durante longas horas, ouvindo sem responder nada, ele se defrontará com uma tarefa nada fácil. Todos os atos e as omissões de sua gestão no Ministério da Saúde estarão, de uma única vez, cobrando o seu ônus.
Dissecadas em pormenores de extrema complexidade, ele será lançado a um labirinto de memórias, no mínimo, desconfortáveis; as quais, o colocarão em uma posição reflexiva sobre os caminhos do poder, da autoridade e da autonomia na investidura de um cargo.
Pois é, pode ter parecido esperteza ficar em silêncio; mas, tenho cá as minhas dúvidas. Ele não será desgastado pelas próprias palavras, que pode se recusar a dizer; mas, justamente, pela ausência de todas elas.
Isso porque, à revelia de sua vontade, ele vai ouvir as vozes de dentro e de fora, como se o depoimento acontecesse em dois níveis de consciência, o seu e o do mundo. Porque o silêncio não apaga os registros de sua memória; ao contrário, ele os acende com muito mais vigor. Por isso, pode-se faltar com a verdade para os outros; mas, não para si mesmo.
Além disso, o seu silenciar não muda o fato de que a ausência da reafirmação oral será, facilmente, suplantada a partir da materialidade das provas que irão sustentar o relatório final da CPI; bem como, de outros depoimentos correlatos que podem contribuir de maneira efetiva para elucidação dos fatos. Todos os atos práticos realizados por ele estão registrados formalmente, documentados, então...
Como escreveu Pablo Neruda, “Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências”. A questão não é o que trata o recorte de tempo em que vigora a CPI; mas, o conjunto da obra que se arrasta por todos os dias da Pandemia, desde seu início. É este punhado de longos dias que busca pela responsabilização dos fatos apurados, a fim de trazer um pouco de paz e de alento aos que foram brutalmente atingidos por essa catástrofe sanitária.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: WcaM (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.