A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Artigo
 
Zé Trovão, Sérgio Reis, Michel Temer e a roída de corda
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

Quanto mais lenha na fogueira, melhor?

Qual dos dois Mitos é o verdadeiro para os fãs e os críticos do presidente Bolsonaro? O das bravatas no cercadinho, onde agride todos os que defendem a obediência à Constituição Federal, ou o da carta à Nação se colocando abaixo desta e respeitando as Instituições? Quem viu o comportamento dos incentivadores da violência e desobediência civil como o cantor Sérgio Reis e o Zé Trovão, depois do posicionamento do STF, não esperava nada diferente do tom apaziguador do documento redigido pelo ex-presidente Michel Temer. Alguém roeu a corda?
O fato é que antes deste documento lido para a população tomar conhecimento do recuo do presidente Bolsonaro, a mídia divulgou os discursos dos presidentes do STF Luiz Fux, no dia 08/09/21, e TSE Luís Barroso, no dia 09/09/21. Ambos foram duros, apesar de civilizados nos termos usados, alertando que as 4 linhas do Mito estão fora do entendimento do Judiciário. O STF disse que esta Corte não será fechada por causa de ameaças e intimidações. Já o TSE rebateu todas as acusações sobre a fragilidade da urna eletrônica, questionando quem é o farsante.
A repercussão entre os apoiadores do presidente Bolsonaro não fugiu do esperado. Os mais exaltados viram no documento a “frouxura” que desconheciam no Mito. Alguns até usaram o mesmo vocabulário deste para classificar a decepção. Os caminhoneiros ficaram em dúvidas sobre as orientações de suspender o bloqueio das estradas, achando que a ordem era fake news. Foi preciso o ministro da Infraestrutura fazer uma declaração para esclarecer a posição do governo. Enfim, teve trapalhada para todos os gostos. O tiro no pé do atirador ficou evidente.
Mas a desconfiança sobre a trégua na pendenga do Planalto contra o STF é muito alta. Os motivos para isso não faltam. A duração do acordo de paz depois da reunião com o presidente do STF, para acalmar os ânimos, durou menos de uma semana. O ministro da Casa Civil senador Ciro Nogueira tenta ser o amortecedor entre os enfrentamentos do Executivo com o Judiciário, mas o dono da caneta Compactor tem outra visão do que é a harmonia entre os Poderes. Portanto, a aposta é que a carta à Nação está longe de ser um passaporte para celebrar a calmaria.
Como os opositores do presidente viram a decisão dele chamar o ex-presidente Temer para aparar as arestas entre o Mito e Alexandre de Moraes? Alguns entenderam que o motivo foi a proximidade de Temer com o ministro, uma vez que foi ele quem o indicou para o cargo. Outros, usando da maldade e do revanchismo, lembraram que o Temer é um golpista e só por isso foi chamado para ajudar quem pretende dar um golpe também. Soube-se apenas que Temer ligou para Alexandre e o convenceu a falar com Bolsonaro. O teor da conversa não foi divulgado.
O futuro do caminhoneiro Marco Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, o líder da categoria para a manifestação do dia 7 de setembro está nas mãos do Judiciário. O ministro do STF Edson Fachin negou o pedido de habeas corpus dos bolsonarista para ele, que é considerado foragido da Justiça. Pesa contra ele a acusação de incentivar e organizar atos antidemocráticos, inclusive com invasão da Suprema Corte. Será que o presidente da República vai fazer alguma coisa por ele? Fala-se que ele se encontra foragido no México. A corda rompeu?
Uma lição aprendida pelos fãs e críticos é que na hora do pega para valer a corda esticada só quebra no lado do mais fraco. O que o cantor sertanejo Sergio Reis ganhou com a sua fidelidade bolsonarista? Soube-se que cancelaram shows e alguns parceiros desistiram de participar do seu novo disco. Quem vai dar a assistência jurídica ao descartável Zé Trovão? Como ele vai pagar as suas contas? O pessoal do poder é vacinado contra isso. A vida continua e sempre tem alguém disposto a arriscar o pescoço por pessoas que estão se lixando para elas. Corda esticada dá nisso!
Mas o calor do momento justificado pelo presidente Bolsonaro, quando disse que o ministro Alexandre de Moraes é um canalha, pode voltar na próxima declaração para os fãs do cercadinho. Ele mesmo já sinalizou que a trégua é para traçar novos rumos do tumulto. Voltou à carga nas desconfianças das urnas eletrônicas – o assunto foi considerado resolvido pela Câmara de Deputados e pelo Senado Federal. Portanto, os bombeiros palacianos de plantão que estejam de prontidão porque o estoque de polêmicas é considerável. Cansa ou não cansa lidar com isso?

J R Ichihara
12/09/2021

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ZGSH (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.