A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Crônica
 
Bondade, difícil de tê-la gratuitamente.
Por: Alexandre Misturini

Bondade, difícil de tê-la gratuitamente.


Sempre fui uma pessoa que priorizou as coisas mais importantes da vida: amor, carinho, respeito, fazer o bem. Enfim, sempre procurei levar uma vida que não prejudicasse meu próximo, mas parece que quanto mais eu faço o bem, mais ingratidão eu recebo. Acabo indagando-me se as pessoas realmente fazem o bem, simplesmente por faze-lo. Nesta semana, descobri que pessoas próximas a mim que sempre se diziam preocupadas comigo, acabaram por me decepcionar muito. Quando souberam da minha felicidade, no caso a felicidade alheia, outro sentimento acabou surgindo, a inveja. Aonde foram parar as boas ações para comigo? Por que não recebo mais aquele olhar acolhedor e toda aquela bondade? Na hora, veio a minha mente uma frase célebre: “Faça o bem e não olhe a quem.”. Acabei pensando muito nela e chegando a conclusões que é melhor nem comentar. Na verdade só somos bons quando somos favoráveis a quem nos cerca, quando todos aqueles com quem nos relacionamos ganham algo com nossa bondade. Procurei entender a lógica capitalista sentimental destas pessoas, mas mesmo assim ainda fiquei sem uma compreensão maior desta forma de pensamento. Será que eu, você e todos nós temos e ganhamos a bondade sem custo algum? A partir deste fato, começo a me questionar, se realmente tudo não tem um preço nesta vida, até mesmo a bondade. Não é difícil de imaginar que todos querem receber, mas doar é algo mais nobre e difícil de conseguir hoje em dia. Logo veio a minha mente uma poesia de Augusto dos Anjos:

Versos Íntimos

Augusto dos Anjos

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!



OBS: Acessem meu blog para acompanharem minhas publicações.
http://alexandremisturini.blogspot.com

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: INXJ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.