A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Antuérpio Pettersen Filho
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
COMISSÃO JULGADORA PROCLAMA FINALISTAS DO CONCURSO DE POESIAS INCONFIDENTE MINEIRO...
Por: Antuérpio Pettersen Filho


COMISSÃO JULGADORA PROCLAMA FINALISTAS DO CONCURSO DE POESIAS INCONFIDENTE MINEIRO...
Por : Pettersen Filho
Meio que Presente de Natal, e Comemoração de Fim de Ano, após acalorados debates, reunidos na Sede do Cerimonial & Hostel Inconfidente Mineiro, na tarde de Sábado, 30/11, Júri de Notáveis, Professores, Escritores, Doutores e Literatos, Proclama Resultado Final dos Poemas Vencedores do Primeiro Sarau de Poesias Inconfidente Mineiro, sendo o Vencedor, em primeiríssimo lugar, o Poema “Morte”, de Ridamar Batista, Poeta (Poetisa), cujo Pseudônimo Alkymena Solaris, fazendo jus a um Prêmio de R$800,00 Reais, além do direito de ver sua Obra Publicada, em posterior Livro.

Comissão Julgadora, cujos Componentes Júri Isento, e Qualificado, composto por Ronald Claver, Escritor e Professor Universitário da UFMG, Romualdo Roza, Professor da Rede Municipal de Ensino, e Poeta, Neide Assis, Professora da Rede Estadual de Ensino, e Pedagoga, Mauro Alexandre, Professor de Literatura, Perito e Médico da Saúde, Josiane Dias, Professora da Rede Estadual, os Debates foram intensos e bastante técnicos, tendo havido algumas desclassificações, segundo o Edital, por tratarem-se, alguns dos casos, de Poemas não-inéditos, ou por se encontrarem fora das regras editalícias.

Os demais Vencedores, em Ordem Decrescente, foram, sucessivamente: “Sombra”, de Paulo Ludmer, com Pseudônimo de “Pedro da Lua”, 2º Lugar, “Ler e Escrever”, de Núbia Aparecida, 3º Lugar, “Velha Morada”, de Sarah de Oliveira Passarela, 4º Lugar, e, em 5º Lugar, “Tentativa de Poema”, de Magda Velloso Fernandes de Tolenino, com Pseudônimo de “Estrela”.

Conforme o Edital, as Poesias lidas e declamadas, durante o Sarau Poético, em 1º/12/2019, na Sede do Cerimonial & Hostel Inconfidente Mineiro, durante a Apresentação do Cantor e Compositor Maurílio Marks, e Convidados, dentre a Declamação de um verso, e outro, diante do Público Presente, cujos Microfones abertos ao Público em geral, como muito tira-gosto e cerveja gelada, servidos a la carte.


Ademais, a Organização do Concurso informa que todos os Inscritos no Concurso receberão Certificado de Participação, e, os Classificados, o respectivo Diploma e Prêmio em Dinheiro, até 30 dias, além de possível Publicação de Livro.

O Inconfidente Mineiro agradece a todos os Participantes, e Colaboradores: Ano que vem tem mais...

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.

1º LUGAR -RESULTADO: POEMAS GANHADORES DO 1º CONCURSO DE POESIAS “INCONFIDENTE MINEIRO 2019”
Por: Ridamar Batista
“MORTE
Não... não precisei usar a morte
Tudo foi se desfazendo aos poucos
Tal qual o fim de tudo, o fim de todos
Às vezes acontece de repente
Sem que sequer se possa entender
Vem o vulcão faminto e engole
A roda do destino vira fole
Fica mole, roda devagar
Acontece, esmorece, para,
Às vezes vem o terremoto
Derrama pau e pedra e cobre
Entulha, esfola e mata.

Não... não foi preciso a morte
Tudo foi-se acabando aos poucos
E nem os meus sonhos loucos
Sobreviveriam ao torpor intenso
Às vezes acontecem desatinos
Não foi este o meu destino
Tudo ruiu placidamente.
Fomos nos afastando indiferentes
do tempo do sentimento e da saudade
fui levando sozinha a dor de
de me fazer cada vez mais só.

Não foi preciso a morte
O espetáculo que ela sempre traz
Ficou difuso, lacunoso e vão.”

Poesia Ganhadora do Primeiro Lugar – 1º Concurso de Poesias “Inconfidente Mineiro/2019
Autor : Ridamar Batista (Pseudônimo Alkymena Solaris)
Anápolis / Goiás – Prêmio R$800,00 /Divulgação do Poema

2º LUGAR -RESULTADO: POEMAS GANHADORES DO 1º CONCURSO DE POESIAS “INCONFIDENTE MINEIRO 2019”
Por : Paulo Ludmer
“SOMBRA
Entre o cheio e o vazio, ela dança,
Persuade, seduz o corriqueiro e o raro,
Não nomeia, desenha, contorna, esfuma,
Pincela.

No limiar narra, desenlaça, interrompe,
Nem tensa, nem intensa,
Iguala irrecorrível como a morte.
Cataloga o mundo, desobrigada de si.

Sob um sol sulfúrico, sob um céu de cobalto,
Ramerrame de fadas e unicórnios, cogumelos e cervas,
Some e restitui histórias sem ranhuras,
Nem barrenta, nem silente, afasta e traz de volta.

Meiga tatua a noite,
Roteirista simples no vaio da inquietude,
Borda esperança e memória,
Infecta o verbo ser.”

Poesia Ganhadora do Segundo Lugar – 1º Concurso de Poesias “Inconfidente Mineiro/2019
Autor : Paulo Ludmer (Pseudônimo Pedro da Lua)
São Paulo / SP – Prêmio R$500,00 /Divulgação do Poema


3º LUGAR -RESULTADO: POEMAS GANHADORES DO 1º CONCURSO DE POESIAS “INCONFIDENTE MINEIRO 2019”
Por : Núbia Aparecida Ferreira de Melo
“LER E ESCREVER
Quando criança,
Sem saber ler,
Nem escrever,
Quis saber,
De um letrado,
Como se escrevia,
O meu nome,
Tomado de um lápis,
Fez emergir,
No branco do papel,
Aquele nome desenho,
Regalo,
Para os meus olhos
Fascinados,
Paredes,
Muros,
Papeis,
Chão de terra batida,
Todo Cantinho,
Amanheceram e dormiram,
Pichados,
Daquilo que seria
Um nome,
Marca primeira,
Bem antes,
Cravada,
Do desejo,
De ler e escrever.
Poesia Ganhadora do Terceiro Lugar – 1º Concurso de Poesias “Inconfidente Mineiro/2019
Autor : Núbia Aparecida Ferreira de Melo (Pseudônimo Areia Preta)
Belo Horizonte / MG – Prêmio R$300,00 /Divulgação do Poema

4º LUGAR -RESULTADO: POEMAS GANHADORES DO 1º CONCURSO DE POESIAS “INCONFIDENTE MINEIRO 2019”
Por : Sarah de Oliveira Passarella
“ Velha Morada
Da velha morada tenho lembranças
das altas portas a ranger em cantilena
no mágico som do vai e vem.
Do vento que entrava pelas finchas
tremulando a luz de uma vela
dos trincos, trancas e tramelas
trancafiando os meus sonhos de donzela.

Era um relicário do passado
involucro testemunha de outrora.
guardiã de mistérios e sortilégios
nas manhãs que surgiam brilhantes qual aurora
santuário a guardar uma bela história.

Das fileiras de janelas coloniais.
eu moçoila debruçava para escutar
o seresteiro seu pinho dedilhar
e sua voz melodiosa cantigas de amor entoar.

Ah! Como posso esquecer...
Minha velha morada que guarda toda minha trajetória,
minha meninice, a vida com nuances de meiguice,
tempo de ternuras, até de glórias...
A altaneira paineira bem ao lado,
dava o toque rosáceo entre os galhos verdes
como os anos tenros da mocidade...
Hoje restam os flocos alvos dos seus frutos e as madeixas
de meus cabelos embranquecidos pelo tempo
e a saudade que me acerca sem piedade!”

Poesia Ganhadora do Quarto Lugar – 1º Concurso de Poesias “Inconfidente Mineiro/2019
Autor : Sarah de Oliveira Passarella (Pseudônimo Katita)
Campinas / SP – Prêmio R$200,00 /Divulgação do Poema


5º LUGAR -RESULTADO: POEMAS GANHADORES DO 1º CONCURSO DE POESIAS “INCONFIDENTE MINEIRO 2019”
Por : Magda Velloso Fernandes de Tolentino
“Tentativa de Poema
Como fazer um poema?
Não sou poeta ou cancioneiro,
Sou narradora, sonhadora.
Como Joyce, sinto as palavras inadequadas.
Narrar é desfiar, palavra por palavra.
Fatos, cenas, acontecimentos.
Poemar exige o derrame do sentimento:
Emoções, coisas guardadas lá dentro
Que no narrar vão derramando
Devagarinho, sem que a mão sinta
O peso da pena ou o esforço do pensamento.
Poemar é com o Drummond, o Bandeira
E até com o poetinha Vinicius.
Narrar é mais fácil, vai saindo
Aos pouquinhos; se não há mais pena
Há o teclado do computador
Em que os dados têm autonomia
E vão batendo rapidinho, sem que se perceba
Que estão baixando uma um
Num ritmo binário.
O ritmo do poema é outro.
É lâmbico, é hexamétrico,
Em baladas, odes e sonetos,
Que extravasam sentimentos
Guardados a sete chaves
Expressos metaforicamente.
Narrativas são falas em papel.
Sem brigas com as palavras.
Elas brotam naturalmente
E naturalmente vão se espelhando
]na página em branco
Contando, contando, narrando
E até poemando.
Poesia Ganhadora do Quinto Lugar – 1º Concurso de Poesias “Inconfidente Mineiro/2019
Autor : Magda Velloso Fernandes de Tolentino (Pseudônimo Estela)
Lagoa Santa /MG – Prêmio R$100,00 /Divulgação do Poema

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: cHfK (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.