A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
A cultura dos senões
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Ao que tudo indica são tempos de cultivo da cultura dos senões. O péssimo hábito da análise rasa e periférica do mundo subverte a importância das coisas em nome de detalhes irrelevantes ou nada importantes ao ponto em questão. Apenas e tão somente, um jeito estranho e maquiavélico de manifestar o desconforto de viver em um mundo que teima em ser diferente de mim, das minhas crenças, dos meus valores, da minha idealização patológica. De modo que tudo vira pretexto para ofender, julgar, desqualificar, banir...
E isso é um problema verdadeiramente sério porque esbarra diretamente na construção identitária da sociedade, na medida em que fortalece o estabelecimento de um cerceamento da liberdade de ser. Os indivíduos tornam-se subjugados aos moldes preestabelecidos pelo sistema vigente e tudo o que desenvolvem no seu espectro de atividades precisa obedecer a esses critérios. Se assim não o fizerem são sumariamente condenados aos vieses da marginalização, da inadequação, do não pertencimento.
Algo fácil de perceber no campo da identidade cultural. O nível de cobrança em relação às expressões artístico-culturais é intensa e sempre pautada em uma análise muito mais pessoal do artista do que da própria obra. Muitas vezes não tendo o quê ou como questionar técnica ou metodologicamente um dado trabalho, os senões são atribuídos ao autor por conta de aspectos de ordem totalmente privada, tais como, gênero, religião, orientação sexual, ideologia política etc.
Então, de repente, a cultura começa a ser guardada sob sete chaves nos grandes depósitos do conservadorismo arcaico, a mercê das poeiras e teias de aranhas que emergem dos discursos e decisões arbitrárias de uns e outros. Ou, quem sabe, lançada ao ardor das línguas inflamadas por um ódio nutrido pela incapacidade de encontrar a liberdade no exercício da própria existência; de modo que, a inveja se exacerba descontrolada no ato da negação censora.
Ah, porque ser e, ainda, desfrutar a liberdade é só para os fortes (de alma). A grande maioria sucumbe aos primeiros impropérios vociferados, resignando-se a uma obediência longa e sofrida. Enquanto o pequeno grupo dos seletos conscientes de si enche o mundo com a sua criatividade expressa na genialidade que extravasa das linguagens verbais e não verbais. Sua pretensão nunca foi incomodar ninguém; mas, apenas, caber no pedacinho de chão que lhe reserva essa vida.
É na doença dos outros que reside o problema. O modo obtuso e desalinhado como se estabelecem no mundo e sucumbem ao controle que lhes recai sobre os ombros, como fardo pesado. São seus olhos que registram a distorção impregnada nas suas mentes. São seus valores que registram a maldade, a falta de decoro, os comportamentos reprováveis. São seus discursos que se traem na manifestação preconceituosa, intolerante, desumana e inconsequente.
No entanto, é bom não esquecer de que em termos de valores e princípios, por trás da cortina, nos bastidores do cotidiano, essa rigidez é comumente flexibilizada. No esquema do “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”, a hipocrisia dá pequenas asas ao conservadorismo de fachada. A inquisição sobre o “outro” que não teme a exposição é deleite para o inquisidor, que jamais se colocaria na posição de receber as mesmas facas e flechas; por isso, ele age nas sombras, em surdina, de vez em quando, só para aplacar por um segundo o seu sonho de liberdade.
Na cultura dos senões o pudor é sempre seletivo e, portanto, tão repulsivo. Mas, na atual conjuntura pós-moderna, quanto mais os senões são impostos mais se estabelecem questionamentos acerca deles, o que os faz deteriorar com mais agilidade essa capacidade nociva.
Ora, um mundo que chegou ao século XXI movido pelas engrenagens tecnológicas e científicas é um mundo que está rendido a permanecer em expansão. Isso significa uma disposição intensa a ressignificação de ideias, de conceitos, de pensamentos, que não permite sobreviver distante do questionamento, da análise crítica e reflexiva.
Portanto, é como escreveu Mario Vargas Llosa 1, “a cultura pode e deve ser, também, experimentação, é claro, desde que as novas técnicas e formas introduzidas pela obra ampliem o horizonte da experiência da vida, revelando seus segredos mais ocultos ou expondo-nos a valores estéticos inéditos que revolucionem nossa sensibilidade e nos deem uma visão mais sutil e nova desse abismo sem fundo que é a condição humana”.


1 LLOSA, M. V. A civilização do espetáculo: Uma radiografia do nosso tempo e da nossa cultura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. 207p.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: SVEA (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.