A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Como uma “Matrioska” de problemas
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Eu sei que a vida transita em movimento de arrastão, levando tudo junto e misturado sob uma dinâmica de acontecimentos intensa. Mas, isso não é pretexto para dar-lhe a forma de uma “Matrioska”, na qual um problema emerge de outro, que emerge de outro e assim por diante, em um contínuo sem fim. Porque é isso que torna tudo tão cansativo e extenuante. Não enxergar soluções, apenas problemas. São tantos e ninguém estabelece uma lógica de prioridades!
Não, porque ela não exista. Mas, simplesmente, porque essa efervescência é de algum modo conveniente. A desorganização do mundo desorganiza a sociedade. São tantos vetores em direções opostas, que as forças acabam se anulando e a inércia imobilizante prevalecendo. O que cria um sentimento desalentado de impotência e extremo cansaço moral.
É sabido que as doenças repercutem além dos pacientes, no ambiente em que eles convivem. Mas, acredito que as mazelas sociais que nos rodeiam de maneira secular são muito mais potencializadoras de enfermidades do que quaisquer patologias. A rudeza do cotidiano suga as energias, destroça o bom ânimo e interrompe o impulso de ação. O que causa um sofrimento tão intenso que abate até mesmo, quem se considera um poço de fortaleza.
Sim, porque se uma doença tem o dom do imprevisível tomando-lhe as rédeas, as mazelas do mundo não são diferentes. Não está nas mãos do ser humano controlar toda a fúria das adversidades do dia a dia. Então, cada dia se incumbe de proliferar as preocupações. E são tantas! Obrigações ordinárias e extraordinárias que gritam alto pela sua resolução.
São incertezas que só fazem descompensar o ritmo do corpo. Coração em sobressaltos. Cabeça doendo. Estômago revirado. E para isso não há vacina. Nem remédio. Nem tratamento. Porque a causa não é essencialmente orgânica; é da vida. As notícias que chegam de todos os lados, a cada segundo, desestabilizando as estruturas por ventos fortes de preocupação. Cada um tenta se segurar de alguma forma para não se deixar levar; mas, é só mais um esforço a acrescer ao desgaste.
E, de repente, se tem mesmo a comprovação de que é “cada um por si e Deus por todos”. Porque não parece existir boa alma que queira, ao menos, tentar mitigar os problemas. Evitar que eles se proliferem tão intensa e desordenadamente. Ao contrário, parece haver uma legião de gente que “advoga para o Diabo”, querendo que a situação fique cada vez mais extrema e difícil. De modo que os dias arrastam correntes pesadas por caminhos totalmente tortuosos.
Resta saber, até quando a população irá resistir. Afinal, tudo tem um limite, inclusive a dor. A vida vai acontecendo e as conjunturas vão tramando o panorama do amanhã. Nem sempre é o que se imagina. Um fio fora do lugar, um ponto apertado demais, ... e o resultado insólito toma as pessoas pela total perplexidade.
Quanto a história do mundo já não contou sobre isso? Aliás, ela conta todos os dias. O sol que chega pela manhã está sempre embebido pelo novo e seus mistérios. Apesar da aridez causticante que temos tido que enfrentar, é nessa consciência esperançosa que, talvez, tenhamos que nos debruçar e aspirar um fiapo de alento para seguir em frente. Confiar na mudança. Na transformação. Nos rodopios, sem nexo aparente, da vida.
Segundo John Dewey, “nós só pensamos quando nos defrontamos com um problema”. Quem sabe não seja este o momento de resgatarmos quem somos, nossas crenças, valores e princípios, para nos posicionarmos cidadãos mais conscientes, hein?! Tudo o que a vida nos apresenta está implicitamente assinado por cada um de nós, por nossas ações e omissões. Direta ou indiretamente, a existência de uma gigantesca “Matrioska” de problemas é consequência de como temos nos posicionado sobre cada assunto. Por isso, “apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida” (Sêneca – filósofo); caso contrário, jamais conseguiremos romper esse círculo vicioso.


 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: FOSD (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.