A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Jornalismo
 
A ciência nos dá informações, não instruções.
Por: Francisco Amado



‘A ciência pode explicar o que existe no mundo, como as coisas funcionam e o que poderia haver no futuro. Por definição, não tem pretensão de saber como deve ser o futuro.’ Assim escreveu Yuval Noah Harari em Sapiens. Ele entendeu. Assim como o filósofo escocês do século XVIII David Hume, que intuiu que a realidade material não pode determinar a realidade moral em seu famoso princípio “deve ser/é”.
Algumas outras pessoas fizeram observações semelhantes durante a pandemia de Covid-19. Aqui está o Dr. Vinay Prasad, professor associado de epidemiologia e bioestatística da Universidade da Califórnia em San Francisco: ‘A ciência não pode fazer julgamentos de valor. A ciência não determina a política. A política é um esforço humano que combina ciência com valores e prioridades. ‘Com relação ao debate sobre o fechamento das escolas, Prasad observou que:

‘A ciência pode nos ajudar a quantificar o risco aumentado (ou a falta dele) de reabertura de escolas na propagação de SARS-Cov-2 e ajudar a quantificar as perdas educacionais do fechamento contínuo, mas a ciência não pode dizer se você deve abrir ou fechar escolas. Tomar a decisão requer valores, princípios, uma visão do tipo de sociedade que queremos ser.’

Erman Sozudogru, professor de filosofia da medicina na UCL, chegou à mesma conclusão no início da pandemia. ‘Enquanto os cientistas estão trabalhando continuamente para melhorar nossa compreensão desta doença’, escreveu ele em março de 2020, ‘não há dados conclusivos que possam determinar o melhor método para combater a Covid-19. O que impulsiona as decisões são nossos julgamentos de valor.’

Infelizmente, esses insights não penetraram no espírito da época. Em vez disso, especialistas e comentaristas na mídia passaram o ano passado nos exortando a “seguir a ciência”, como se a ciência viesse com um roteiro e uma bússola moral.

A ciência nos dá informações, não instruções. É um pouco como um cata-vento. Você pode olhar para um cata-vento e deduzir que há um vento forte vindo do noroeste. O que o cata-vento não pode dizer é como responder às informações. Uma pessoa pode decidir que seria loucura sair em um dia com tanto vento, enquanto outra pode concluir que é o dia perfeito para uma caminhada revigorante. Mesma informação, respostas diferentes.

Se você decidiu ir contra o vento, a ciência pode ajudá-lo a descobrir como se manter aquecido. Por exemplo, a ciência diz que os materiais que barram o ar, como penas de ganso, fazem um trabalho superior de conservação de calor. A ciência diz que usar chapéu pode ajudar a manter os pés aquecidos. Mas a ciência não pode dizer se você deve dar aquele passeio durante uma ventania ou saborear um chocolate quente no sofá enquanto observa as árvores batendo contra as vidraças.

Colocando de outra forma: a ciência pode nos dizer como alcançar uma meta, mas não pode nos dizer qual objetivo alcançar. Esse trabalho cai para a ideologia. Para a ética.

Para valores. Aqui está Harari novamente, desta vez em uma retrospectiva da Covid de fevereiro de 2021 no Financial Times: ‘Quando decidimos sobre a política, temos que levar em consideração muitos interesses e valores, e uma vez que não há uma forma científica de determinar quais interesses e valores são mais importantes, não há maneira científica de decidir o que devemos fazer.’

Em outras palavras, ‘seguir a ciência’ não resiste a um escrutínio lógico – se a ciência é robusta ou instável, estabelecida ou em fluxo. Quando as pessoas dizem “siga a ciência”, o que realmente querem dizer é “siga meus valores”.

Avaliamos o sucesso da medicina em termos de vidas salvas, por exemplo, ou avaliamos nosso progresso com base em nossa capacidade de cuidar dos moribundos? Devemos dedicar mais recursos às pessoas que vieram antes de nós, que nos deram vida, ou àqueles que herdarão o planeta de nós? A ciência não pode nos dar respostas a essas perguntas.

Algumas pessoas acreditam que a vida humana tem uma santidade inerente e que a preservação da vida deve substituir todas as outras prioridades sociais. Essa é uma visão de mundo defensável.

Outras pessoas acreditam que a santidade da vida reside na experiência vivida; se a preservação de todas as vidas biológicas possíveis exige que desistamos das conexões sociais, culturais e espirituais que dão sentido e consistência às nossas vidas, temos o direito de questionar o trade-off. Essa também é uma visão de mundo defensável.

Escondidas sob a retórica “siga a ciência”, essas visões de mundo divergentes moldaram e polarizaram o discurso em torno de Covid. Salve vidas, grita de um lado. Salve a vida, grita o outro. A ciência não pode resolver essa disputa com mais facilidade do que determinar se as montanhas são melhores do que os oceanos.

Suponhamos que o grupo “salve vidas” em um país chamado Saftia, enquanto o grupo “salve a vida” viva na vizinha Experia. A Covid se espalhou com igual entusiasmo por esses dois países, e seus respectivos líderes têm os mesmos dados à sua disposição. O que acontece depois?

Os saftianos acreditam, plena e apaixonadamente, que salvar vidas justifica praticamente qualquer sacrifício. A vida é uma dádiva, e uma sociedade civilizada não a coloca na balança. A ideia de que alguém possa pensar diferente os surpreende e ofende. Isso os leva ao desespero.

Os experianos acreditam, da mesma forma plena e apaixonadamente, que preservar a riqueza e a qualidade da vida justifica alguma perda de vidas. Eles não querem que as pessoas morram, mas estão preparados para aceitar uma base de mortalidade extra para manter a vida social, cultural, econômica e espiritual à tona, como a sociedade tem feito historicamente com as mortes no trânsito e de gripe.

A ideia de que alguém possa pensar diferente os surpreende e ofende. Isso os leva ao desespero.



Esses dois grupos poderiam se debruçar sobre os mesmos dados da Covid – os mesmos fatos, números, gráficos, curvas, picos, ondas, variantes preocupantes e resultados de ensaios clínicos de vacinas – e chegar a conclusões totalmente diferentes sobre a melhor forma de proceder. Suas decisões fluem de seus valores, não da área sob a curva ou do formato de um pico de proteína.

É por isso que a ciência sozinha não pode solucionar a Covid. A verdadeira guerra está sendo travada na frente ideológica, não científica. É uma visão da vida contra a outra. Não importa como a ciência progrida, essas visões concorrentes continuarão decidindo as respostas à pandemia.

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: eDRP (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.