A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ODILON DE MATTOS FILHO
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
PAZUELLO PODE SER A SENHA PARA O GOLPE
Por: ODILON DE MATTOS FILHO

Os brasileiros assistiram o general Pazuello, militar da ativa e ex-ministro da saúde, participar, no dia 23/05/2021, na cidade do Rio de Janeiro de uma manifestação política junto com o presidente Bolsonaro e outros políticos e populares.

O Anexo I do Decreto nº 4.346/2002 que “Aprova o Regulamento Disciplinar do Exército” prevê 113 atitudes que podem caracterizar transgressões de um militar do Exército e no item 57 está previsto uma dessas transgressões: ”manifestar-se, publicamente, o militar da ativa, sem que esteja autorizado, a respeito de assuntos de natureza político-partidária”.

Diante da patente transgressão do general Pazuello e dada a firmeza com que o Exército trata essa questão da disciplina, que é um dos pilares das Forças Armadas, vários militares da ativa e da reserva não tinham dúvidas de que o general sofreria algum tipo de punição. O próprio vice-presidente da república, general Mourão disse que “o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello entendeu que cometeu um erro...a regra tem que ser aplicada para evitar que a anarquia se instaure dentro das Forças. Tem gente que é simpática ao governo e tem gente que não é, então cada um tem que permanecer na linha que as Forças Armadas tem que adotar. As Forças Armadas são apartidárias, não têm partido. O partido das Forças Armadas é o Brasil.”

Logo depois da abertura da apuração administrativa disciplinar contra general Pazuello o presidente Bolsonaro em clara afronta ao comando do Exército nomeou o citado general para ocupar o cargo de Secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Evidente que essa nomeação foi um recado para que o comando do Exército não punisse o general apadrinhado. E surpreendentemente, essa foi a decisão do comandante que no dia 03/06/2021, acuado e humilhado, ordenou a publicação do arquivamento do processo disciplinar instaurado contra Pazuello sem é claro, qualquer tipo de punição.

Logo depois de anunciada essa covarde decisão, as repercussões começaram a ganhar as redes sociais e as manchetes da mídia. A deputada federal, Perpétua Almeida (PC do B-AC), por exemplo, disse que "a sensação é de que não se sabe mais onde termina o governo e começa o Exército..1”.

Já deputada federal Erika Kokay (PT-DF) também se manifestou dizendo que a "Decisão do Exército de não punir Pazuello por participação em ato com Bolsonaro no Rio é exemplo cristalino do quanto os militares são base de sustentação do governo genocida. Vergonha!2"

Por sua vez, Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), assim se manifestou: “...Não é raro ouvir declarações públicas dos comandantes militares de que 'quando a política entra pela porta da frente num quartel, a hierarquia e a disciplina saem pela porta dos fundos'. Pois a decisão de hoje escancarou as portas, ao não punir um general da ativa que participou de um evento político, em clara afronta à disciplina e ao que determina a lei. A partidarização das Forças Armadas ameaça a democracia e abre espaço para a anarquia nos quarteis. A grave situação do país exige das instituições respostas firmes para impedir retrocessos e quebra da ordem institucional.3"

O jornalista Fábio Pannunzio foi mais direto e incisivo no seu comentário: "O genocida tem razão quando fala "meu Exército". Prepare-se para a ditadura militar que será instaurada neste grotão da Terra plana4"

Está cristalino que o arquivamento desse processo disciplinar contra Pazuello não foi uma mera decisão “interna corporis”, ao contrário, pode ter sido a senha que Bolsonaro precisava para respaldar e garantir o seu projeto de Poder, umbilicalmente, ligado ao nefasto projeto obscurantista de passado recente, podendo, ainda, abrir a porta para uma descontrolada insubordinação de militares e policiais Brasil afora.

Aliás, vale lembrar que para alcançar esse objetivo, o presidente já conta, também, com o apoio das Forças de Seguranças dos Estados. Não à toa, que estamos assistindo o aumento da violência e das arbitrariedades cometidas por esses agentes de segurança pública que surfam na impunidade e se sentem, de certa forma, protegidos pelas mãos do Estado, em especial, do presidente da república, basta observamos os comentários de Bolsonaro após, cada operação violenta realizada por esses agentes. Soma-se a isso, o seu projeto em franco andamento de armar a sociedade. A propósito, os números corroboram tal assertiva. No começo de 2019, havia pouco menos de 200 mil armas de fogo devidamente registradas no país. No fim do ano de 2019, foram contabilizados novos 8.850 registros e entre janeiro e junho de 2020, mais 8.844, lembrando que estes números se referem apenas às armas que estão em mãos de vigilantes e de empresas de escolta.

Portanto, realmente, o cenário não é nada animador, pois, há fortes sinais apontando para a volta das velhas e abomináveis práticas obscurantistas de tempos pretéritos. É impossível, intolerável e temerário para um país como o Brasil que a pouco tempo saiu de uma ditadura militar ter o seu Centro de Poder dominado por milhares de militares da ativa. Lugar de militar é na caserna!

Dessa forma, resta claro que não se pode perder mais tempo e apostar somente em 2022. Há uma imperiosa necessidade de que as forças progressistas do país impulsionem as massas para as ruas e exija o fim deste governo, caso contrário, o ovo da serpente vai se quebrar e aí já será tarde demais!














1 Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2021/06/03/veja-a-repercussao-da-decisao-do-exercito-de-nao-punir-pazuello-por-ato-com-bolsonaro.ghtml
2 Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2021/06/03/veja-a-repercussao-da-decisao-do-exercito-de-nao-punir-pazuello-por-ato-com-bolsonaro.ghtml
3 Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2021/06/03/veja-a-repercussao-da-decisao-do-exercito-de-nao-punir-pazuello-por-ato-com-bolsonaro.ghtml
4-Fonte:https://www.brasil247.com/brasil/fabio-pannunzio-prepare-se-para-a-ditadura-militar-que-sera-instaurada

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: RQRC (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.