A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
AMOR, AMAR, ...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA



Segundo Caio Fernando Abreu, “Somos inocentes em pensar, que sentimentos são coisas passíveis de serem controladas. Eles simplesmente vêm e vão, não batem na porta, não pedem licença. Invadem, machucam, alegram”. Particularmente, estou de pleno acordo; sobretudo, quando paro para pensar sobre o amor.
Embora, considere legal, bacana, e até divertida, aquela velha idealização do amor romantizado, do tipo folhetim, com toda a sua passionalidade à flor da pele e as lágrimas e soluços contidos em lencinhos bordados, o meu incansável realismo me lança de volta à vida como ela é.
“De repente, não mais que de repente ...”, como diria o Poetinha, um belo dia somos arrebatados nas esquinas da vida. No mais típico trivialismo cotidiano, sem muitas reverências e glamoures. Em um esbarrão. Uma troca de olhares. Um discurso enviesado. Uma fila de espera. ... Nada roteirizado, planejado, pré-fabricado.
E aí, me vem à frase de Edgar Cézar Nolasco, em Claricianas, “Não me lembro mais qual foi nosso começo. Sei que não começamos pelo começo. Já era amor antes de ser”. Uau! Um curto-circuito na alma que faz tudo acender à revelia, para que o mundo e a vida possam ser descortinados a partir de outras perspectivas.
Por isso o amor é algo tão pessoal e intransferível. Cada um tem um jeito de amar e de ser amado muito singular, porque as relações de amor são únicas; embora, os seres humanos pensem que não. É como música tocada a quatro mãos; mas, sob um arranjo e uma técnica desenvolvida por aquela determinada parceria. É isso o que encanta, o que transborda a emoção.
Afinal de contas, amor que é amor tem potencial suficiente para fiar uma simbiose de delicadezas e afetos. Quem ama cuida. Quem ama protege. Quem ama ampara. Quem ama se preocupa. Quem ama liberta. Quem ama ... ama sem rótulos, sem obstáculos, sem objeções, porque sente a segurança de uma subjetividade que se materializa nos mais pequeninos gestos.
Para esse amor não precisa vestir nenhuma personagem. A cara lavada, a roupa amassada, o cabelo despenteado, ... as aparências se tornam desimportantes. A dialogia dessa relação é transcendente e só se traduz além dos corpos. Como encontrei nessa descrição: “Poderíamos casar, teríamos um apartamento, tomaríamos café as cinco da tarde, discordaríamos quanto a cor das cortinas, não arrumaríamos a cama diariamente, a geladeira seria repleta de congelados e Coca-Cola, o armário, de porcarias, adiaríamos o despertador umas trinta vezes, sentaríamos na sala de pijama e pantufas, sairíamos para jantar em dia de chuva e chegaríamos encharcados, nos beijaríamos no meio de alguma frase, você pegaria no sono com a mão no meu cabelo e eu, escutando sua respiração. Eu riria sem motivo e você perguntaria porque, eu não responderia, saberíamos” (Caio Fernando Abreu).
Essa simplicidade existencial do amor, talvez, seja o antídoto contra a fugacidade, o qual a humanidade tanto precisa. Um amor que não se curva aos rodopios do relógio. Que não se rende aos protocolos do sistema. Que não se permite ser menor em nenhuma circunstância. Que vive a cumplicidade; mas, também, o respeito e a empatia. Ah! Um AMOR em caixa alta! Um amor, que nem mesmo uma Pandemia, seria capaz de extinguir.
No fim das contas, é como diz a canção, “Amar pode machucar / Amar pode machucar às vezes / Mas é a única coisa que eu conheço / Quando fica difícil / É a única coisa que nos faz sentir vivos ...” (Photograph – Ed Sheeran). Não há nada melhor do que um grande amor para restaurar a alma e recobrar os sentidos. Em qualquer tempo. Em qualquer lugar. Porque “Andar sem amor pela vida é como ir para o combate sem música, como empreender uma viagem sem um livro, como fazer-se ao mar sem estrela-guia” (Henri-Marie Beyle – “Stendhal” – escritor francês).

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: dDIL (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.