A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Sucessão de derrotas e depoimentos comprometedores
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

Chapa quente verde e amarela?

Quem ainda tinha dúvidas sobre a falta de apoio do presidente Bolsonaro nos outros Poderes precisa afinar a capacidade de observação e análise do que vem acontecendo. Sem muita alternativa para a crise geral que tomou conta do país, além da pandemia da Covid-19 que ainda não foi controlada, as propostas encaminhadas foram todas rejeitadas. A Medida Provisória sobre a Internet foi devolvida pelo Senado e recusada pelo STF. A proposta sobre os precatórios não saiu como esperado, obrigando o superministro Paulo Guedes a se ajoelhar pedindo ajuda.
Como entender o porquê disso tudo para quem se comporta dentro das 4 linhas da Constituição Federal? Provavelmente as rejeições vão além de uma simples oposição, uma briga sem-fim entre os Poderes, uma vez que o Legislativo é seu aliado, via Centrão. Soma-se a isso o fato de que nem tudo que é encaminhado deve ser prontamente aprovado – a independência entre os Poderes prevalece. Quem não aceitar as regras de uma Democracia apela para a agressão, a ofensa, a ameaça... a baixaria através das palavras de baixo calão. Daí o chumbo e não a saliva.
Além das derrotas frente aos Poderes, o presidente Mito já não conta mais com o apoio do empresariado publicamente. O comportamento do presidente da República no cercadinho inibe qualquer apoio abertamente. Enquanto as Reformas que interessam aos patrões não forem aprovadas, os investimentos continuam no aguardo. Até o Velho da Havan sumiu! Resta aumentar impostos como o IOF senão a conta não fecha e o rombo cresce ainda mais. Todos sabem no que dá uma inflação alta com crescimento baixo. Não cola mais terceirizar a sua responsabilidade.
Mas o que está ruim pode piorar, segundo a filosofia popular. Os depoentes na CPI da Pandemia, mesmo calados por conta do Habeas Corpus emitidos pelo STF, reforçam que havia um esquema de corrupção na aquisição de vacinas pelo Ministério da Saúde. A cada silêncio e negativa, os senadores da oposição mostram provas documentais sobre o que não foi respondido. O lobista que não sabia o nome de nenhum político, assim como o empresário fornecedor que não conhecia ninguém do órgão comprador. Um deles tinha vários CPFs. Transparência é isso?
O fato é que cada vez mais o inexplicável ganha musculatura. Se nenhum envolvido no esquema sabe explicar nada, como o Ministério da Saúde atuou para adquirir os imunizantes? Fazer bravatas frente às câmeras, como o fez o ministro Onyx Lorenzoni, logo que vazou a denúncia do deputado Luís Miranda, exibindo o tal do invoice original, não esclarece absolutamente nada. Isso pode ter agradado quem gosta desse efeito midiático, mas as dúvidas permanecem para quem gosta de esclarecimentos civilizados e com documentos autênticos.
Infelizmente time ruim que joga unido nunca dá o resultado esperado pela torcida. Quando o técnico não entende do riscado é pior ainda. O anúncio do presidente Bolsonaro há algum tempo que ia indicar um ministro terrivelmente evangélico foi um afago aos pastores que apoiam todas as atitudes dele. Mas o que fazer quando o Senado sinaliza que não vê com bons olhos uma indicação que vai submeter a uma sabatina? Agradar os bíblicos ou os parlamentares? Talvez a sua arrogância ou a autoconfiança exagerada não seja tão aceitável como ele pensava.
Uma notícia que chamou a atenção foi que a inflação de agosto é a maior dos últimos 20 anos. Isso é ruim para um governo que prioriza a economia acima de tudo. Os fãs incondicionais devem ter justificado o péssimo desempenho comentando os discursos do ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho. Ele elogiou as realizações das moradias agora sob o nome de Casa Verde e Amarela, substituindo o Minha Casa Minha Vida, ressaltando a eficiência porque fez mais unidades com menos recursos. Talvez falte o comprador por causa da crise.
Quanto ao preço dos combustíveis, o presidente da Petrobras foi à Câmara de Deputados explicar ao país. Alinhado com o presidente da República, reforçou que o grande vilão é o ICMS, um imposto que é cobrado pelo governo estadual. Simples assim! O que não consegue justificar tanta incompetência é por que nas gestões anteriores, apesar de toda roubalheira denunciada pela mídia, com o mesmo imposto cobrado, o preço não era tão alto. Aliás, houve até manifestações de caminhoneiros fechando estradas por conta disso. Se tudo mudou para melhor...

J R Ichihara
18/09/2021

 Comente este texto
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: dfWc (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.