A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
Para alterar som de fundo clique F5: 

Mensagens de Natal e Boas Festas

Mais Mensagens

                                  

 

Publicações
Perfil
Comente este texto

 

ANO NOVO – O MITO QUE NÃO É MITO


Por: Zélia Mendonça Chamusca



Por Zélia Chamusca

O mito era entendido, “in illo tempore”, em tempos remotos, como uma narração lendária pertencente a uma tradição cultural de determinado povo que explicava, a partir do recurso ao sobrenatural, a origem do universo e a dinâmica da natureza bem como os seus principais valores éticos e morais.

O emergir do pensamento filosófico na Antiga Grécia, no século VI a.C. veio romper com o conceito do mito, acima descrito, dado que a realidade passou a ser vista e explicada por si mesma, através do conhecimento racional do ser humano, podendo, contudo, a explicação ser objeto de crítica ou reformulação.

É precisamente sobre este conceito do mito, visto à luz do pensamento racional, que podemos considerar o Ano Novo como um mito verdadeiro e eterno, um mito de eterno retorno, um mito que não é mito, dado que, não tem origem em qualquer narração lendária, mas sim, repito, um mito verdadeiro e eterno visto à luz do pensamento racional.

O Ano Novo surge em consequência do movimento de rotação e de translação da Terra em volta do Sol, gerando com ele a renovação de toda a natureza, facto comprovado cientificamente e (utilizando a fenomenologia e a terminologia husserlianas), pelo nosso pensamento racional, “noético”, resultante da atividade da razão, "noesis".

Por outras palavras, o Ano Novo enquanto renovação, surge como um “noema”, isto é, como algo de que se tem consciência.

Lembro que, como já referi noutros artigos, muitas tradições ancestrais consideravam o início do Ano Novo em março, uma época de abundância e de prosperidade, altura das sementeiras, integrando-se no simbolismo da renovação periódica da natureza e do ser humano, ou seja, na renovação de toda a Criação.

Ainda hoje, a Festa do Ano Novo (na continuidade do contexto do Natal), insere-se na renovação simbólica de toda a Criação. É nossa “praxis” desejarmos uns aos outros um bom ano com prosperidade, abundância e, segundo o nosso pensamento racional, transmitirmos a esperança de um mundo novo.

Depende de todos nós transformarmos esta esperança em sonho concretizado
cumprindo a Mensagem de Jesus:

“Amai-vos uns aos outros, assim como Eu vos amei”.
Jo 15,12-17
Zélia Chamusca
Ano Novo de 2020.

 

156 - Leitura(s)
 Comentar
 Paralerepensar


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: QOJC (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.